PF prende Wesley Batista

Presidente da JBS foi preso na manhã desta quarta, em São Paulo

Por O Dia

São Paulo - A Polícia Federal (PF) prendeu preventivamente na manhã desta quarta-feira, em São Paulo, o empresário Wesley Batista, presidente do grupo JBS. O executivo é investigado em inquérito sobre manipulação do mercado financeiro, referente ao suposto lucro obtido com a venda de dólares às vésperas da divulgação da delação premiada dos executivos da J&F, em maio deste ano. As ordens de prisão é da 6ª Vara Federal Criminal de São Paulo. 

O empresário Wesley batista foi preso na manhã desta quarta%2C em São PauloReprodução Youtube

As ações fazem parte da 2ª fase da Operação Tendão de Aquiles. Os mandados foram expedidos pela 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo, a pedido da PF, que investiga o uso indevido de informações privilegiadas em transações no mercado financeiro entre 24 de abril e 17 de maio deste ano. Nesse período, foram divulgadas informações relacionadas a acordo de colaboração premiada firmado com a Procuradoria-Geral da República.

A investigação apura ordens de venda de ações de emissão da JBS S/A na Bolsa de Valores pela empresa controladora, a FB Participações S/A, e a compra dessas ações em mercado, por parte da empresa JBS S/A. Com as irregularidades, o mercado era manipulado, fazendo com que os acionistas absorvessem parte do prejuízo gerado pela baixa das ações.

Outra situação foi a intensa compra de contratos de derivativos de dólares pela JBS S/A, em desacordo com a movimentação usual da empresa, que se favoreceu com a alta da moeda norte-americana após o dia 17.

Os suspeitos poderão responder por crime de uso de informação relevante, ainda não divulgada ao mercado, para propiciar vantagem indevida com valores mobiliários. As penas variam de um a cinco anos de prisão e multa de até três vezes o valor da vantagem ilícita obtida.

Nesta ação, o irmão de Wesley, Joesley Batista, também foi alvo de mandado de prisão preventiva, porém, ele está preso desde o último domingo quando o relator da Operação Lava Jato, Edson Fachin, acatar os pedidos de prisão do empresário sobre investigação dos acordos de delação premiada. 

De acordo com a PF, os investigados podem ser presos "utilizar informação relevante ainda não divulgada ao mercado, de que tenha conhecimento e da qual deva manter sigilo, capaz de propiciar, para si ou para outrem, vantagem indevida, mediante negociação, em nome próprio ou de terceiro, com valores mobiliários:com penas de 1 a 5 anos de reclusão e multa de até três vezes o valor da vantagem ilícita obtida".

Com informações da Agência Brasil

Últimas de Brasil