Advogado de Padilha protocola defesa na CCJ da Câmara: 'Denúncia é inepta'

Ministro é o primeiro a entregar peça por escrito. Defesas de Temer e Moreira Franco também protocolarão nesta quarta-feira

Por O Dia

Brasília - O advogado Daniel Gerber protocolou, na tarde desta quarta-feira, a defesa por escrito do ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados. O ministro foi o primeiro a entregar a defesa na CCJ.

Padilha e o ministro Moreira Franco, da Secretaria-Geral da Presidência foram denunciados pela Procuradoria-Geral da República na mesma peça elaborada contra o presidente Michel Temer por obstrução de justiça e organização criminosa.

Gerber disse estar convencido da inocência do peemedebista e que, "sem dúvida alguma", se trata de uma denúncia inepta. "Temos a mais absoluta convicção que essa casa legislativa não deixará que uma peça nessas condições siga adiante", declarou o advogado.

Na saída da entrega do documento, o defensor de Padilha disse que não há "sequer nenhuma menção de participação do ministro vinculado à Operação Lava Jato" e afirmou que não conversou ainda com Padilha sobre a possibilidade dele vir pessoalmente fazer sua defesa na fase de sustentação oral no plenário da comissão.

Moreira, Temer e Padilha: os três foram denunciados pela PGRAntônio Cruz/Agência Brasil

Gerber desconversou ao ser questionado sobre um possível fatiamento da votação da denúncia no plenário da CCJ. "Pelo ponto de vista da defesa, temos tanta confiança na inocência do ministro que para nós é indiferente", respondeu.

Defesas de Moreira e Temer também nesta quarta 

O Palácio do Planalto já informou que a defesa do presidente Temer também será entregue nesta quarta, às 16 horas. O advogado de Moreira, Antonio Sergio Pitombo, disse que ainda verá o horário, mas confirmou que também protocolará a defesa do ministro nesta quarta-feira.

A partir da entrega da última das três defesas começa a contar o prazo de cinco sessões para a CCJ votar o relatório que vai sugerir ou pelo prosseguimento ou pelo arquivamento das investigações contra os ministros e o presidente.

Últimas de Brasil