Lula diz que Aécio 'plantou ódio e está colhendo tempestade'

Ex-presidente criticou postura de senador mineiro após a derrota nas eleições de 2014

Por O Dia

Rio - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, comentou, nesta quarta-feira, a decisão do Senado de retomar o mandato do senador Aécio Neves (PSDB-MG) e retirar a medida de recolhimento domiciliar noturno que havia sido imposta pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Em entrevista para a Rádio Super Notícia, de Belo Horizonte, o petista disse que nas campanhas presidenciais que disputou e perdeu (em 1989, 1994 e 1998) não vendeu "ódio como o Aécio (Neves) vendeu quando perdeu para a Dilma (Rousseff, em 2014)". "Vendi paz e amor."

Lula, que inicia no próximo dia 23 a etapa mineira de sua caravana, voltou a afirmar que vai ser candidato novamente ao Planalto no ano que vem - "Só porque não querem" -, mas disse que está "nu" diante das investigações das quais é alvo no âmbito da Operação Lava Jato.

O petista também disse se dizer vítima de um "pacto maquiavélico" entre Polícia Federal, o Ministério Público, Poder Judiciário e a imprensa para tirá-lo da disputa de 2018.

Ex-presidente criticou Aécio Neves após decisão do Senado favorável ao tucanoFabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Lula disse estar hoje, politicamente, igual ou melhor do que antes. "Quem está pior é o pessoal da Lava Jato, que contou mentira a meu respeito. A Polícia Federal da Lava Jato mentiu, o Ministério Público mentiu, e o juiz aceitou as mentiras e está me julgando, e está me condenando por coisa que ele próprio diz que eu não fiz. Então eles é que têm problemas para explicar para a opinião pública que eu não cometi crime que eles gostariam que eu tivesse cometido", afirmou.

O ex-presidente disse ainda que poderia ficar fora da disputa do ano que vem. "Poderia não ser candidato. Já fui presidente, fui bem sucedido, não tem nenhum presidente que terminou oito anos com 87% de bom e ótimo, com o Brasil crescendo 7,5%, com varejo crescendo a quase 14%."

"Não precisaria ser candidato, mas só porque não querem, é que quero ser agora, e vou disputar dentro do PT e eles que arquem com a responsabilidade de tomar a decisão de proibir de ser candidato", continuou Lula. "Se encontrarem alguma coisa errada que fiz, que me punam, porque não estou acima da lei. Nem quero estar. Até por que todas as leis que facilitam a apuração da corrupção foram feitas pelo PT. Portanto, se tem alguma coisa que o PT não tem medo, é de investigação."

Últimas de Brasil