Incêndio que já destruiu 20% da Chapada dos Veadeiros pode ter sido criminoso

Polícia investiga crime após relatos de que pessoas em motocicletas atearam fogo onde os primeiros focos surgiram

Por O Dia

Goiás - Um incêndio que começou no último dia 17 e que já destruiu mais de 20% do Parque da Chapada dos Veadeiros, em Goiás, pode ter sido criminoso.

Em entrevista nesta quarta-feira, o ministro interino do Meio Ambiente, Marcelo Cruz, afirmou que, após análises de técnicos e depoimentos de moradores, as polícias investigam a hipótese de que o incêndio é criminoso. Ele disse que relatos indicam que pessoas em motocicletas atearam fogo em locais onde os primeiros focos surgiram.

Incêndio na Chapada dos Veadeiros atingiu 20% da área do parqueDivulgação/ICMBio/FernandoTatagiba

No momento, os maiores focos de fogo estão no Vale da Lua, uma área vizinha da unidade de conservação, entre o distrito de São Jorge e a sede do município de Alto Paraíso.

O ministro disse que a estiagem, a temperatura média acima de 37 graus e ventos de 40 quilômetros por hora ajudaram a propagar o fogo de forma "violenta". Com este incidente, o governo estima que, neste ano, incêndios destruíram cerca de 1,1 milhão de hectares da rede federal de unidades de conservação, praticamente a mesma área destruída em 2016. "A boa notícia é que as linhas de incêndio do Parque da Chapada dos Veadeiros já estão sendo controladas", afirmou. "A atuação de combate é 24 horas, as equipes trabalham até durante a noite, para debelar o incêndio."

O coordenador-geral de proteção do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Luiz Felipe de Luca, disse que a equipe de combate ao incêndio conseguiu evitar a destruição da estrutura de visitação do parque. Ele disse que também não foram atingidas as áreas das principais trilhas do parque, a do Salto e a da Cachoeira das Carioquinhas.

Pelas estimativas iniciais, o parque perdeu até agora 48 mil hectares. Recentemente, o parque passou a ter uma área de 240 mil hectares - antes, a unidade possuía 56 mil hectares. O incêndio destruiu tanto a vegetação da área antiga quanto o cerrado que foi incorporado ao parque.

No momento, o grupo de combate ao incêndio conta com 203 agentes do ICMbio, do Ibama e das polícias Federal e Rodoviária Federal e militares de Goiás e do Distrito Federal, além de 100 voluntários da região. O grupo tem a assistência de cinco aviões tanque do ICMBio, um avião Hércules Força Aérea Brasileira (FAB) e quatro helicópteros do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), da Polícia Rodoviária Federal e da Polícia do Distrito Federal.

Últimas de Brasil