Dilma diz que havia preocupação em salvar as empresas da Lava Jato

Para ex-presidente, punição deveria atingir somente os executivos e não as instituições, que na visão da petista, são 'produtos sociais'

Por O Dia

Belo Horizonte - A ex-presidente Dilma Rousseff afirmou ao juiz federal Sérgio Moro que havia uma preocupação em salvar as empresas alvo da Operação Lava Jato. Segundo a petista, os executivos deveriam ser punidos, mas as "instituições são produtos sociais, elas não podem ser punidas".

Dilma falou durante cerca de meia hora, por meio de videoconferência, de Belo Horizonte, nesta sexta-feira, para o processo no qual é testemunha de defesa do ex-presidente do Banco do Brasil e da Petrobras, Aldemir Bendine, preso na Operação Cobra, desdobramento da Lava Jato deflagrado em julho. Bendine é réu em ação penal por suposta propina de R$ 3 milhões da Odebrecht.

Dilma Rousseff prestou depoimento ao juiz Sérgio Moro, por videoconferênciaJosé Cícero da Silva/Agência Pública

As maiores empreiteiras do país são acusadas na Lava Jato de formar cartel bilionário na Petrobras no período entre 2004 e 2014. Seus executivos foram presos em fases distintas da operação, a Juízo Final, deflagrada em novembro de 2014, e a Erga Omnes, de julho de 2015.

Para escapar da prisão, os principais dirigentes das construtoras firmaram acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal. E as empresas adotaram a leniência como caminho para se livrar de punições que poderiam alijá-las de vez do mercado.

A defesa de Bendine questionou Dilma sobre a atuação de seu ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante. Segundo a acusação da força-tarefa da Lava Jato, em anotações destinadas a Mercadante, o empreiteiro Marcelo Odebrecht relatou sobre o "risco de as empreiteiras investigadas terem de reconhecer a prática de ilícitos para realização de acordos de leniência", fez considerações "a respeito de bloqueio cautelar efetivado pela Petrobras contra as empresas do grupo" e também tratou de possível restrição de crédito do BNDES às empresas investigadas.

Aldemir Bendine, ex-presidente do Banco do Brasil e da Petrobras, é réu na Lava JatoDivulgação

Dilma disse acreditar "que as pessoas tendem a fazer avaliações se colocando no centro do mundo". "Tinha uma questão que era muito grave", declarou a ex-presidente. "Uma delas era que as empresas que estavam sofrendo investigação da Lava Jato, elas necessariamente estavam tendo problemas na área de retomar seus financiamentos internos e externos. Isso dava, criava para o governo um grande problema. Por quê? Porque essas empresas estavam comprometendo seus empregos e seus financiamentos."

Segundo a ex-presidente, o governo fazia a discussão sobre a leniência". "Achávamos, e eu particularmente continuo achando, que nós temos que punir malfeitos. Punir executivos ou funcionários que pratiquem malfeitos. Punir quem quer que pratique malfeitos. Agora, as instituições são produtos sociais, elas não podem ser punidas, então, é uma forma como se pratica internacionalmente", disse. 

A ex-presidente respondeu ainda a questões relativas à chegada de Bendine à presidência da Petrobras. "Tinha e tenho uma avaliação muito boa da Graça Foster. A dra Graça Foster era uma pessoa da empresa que combinava uma grande capacidade de gestão e um conhecimento bastante aprofundado técnico, principalmente numa área decisiva que é engenharia de postos de petróleo. E, para mim, era importante que ela permanecesse e concluísse o trabalho por uma série de fatos, principalmente, relativos a todo processo que a Petrobras passava, tornou para ela difícil esse processo", disse. " Diante de todo retrospecto do Bendine na frente do Banco do Brasil foi uma das pessoas que eu pensei que pudesse substituí-la adequadamente."

Últimas de Brasil