Geraldo Alckmin vai acertar com Temer a saída do PSDB do governo

Pré-candidato à Presidência, governador de São Paulo afirmou que tucanos vão desembarcar do governo em dezembro

Por O Dia

São Paulo - Pré-candidato do PSDB à Presidência, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, confirmou nesta terça-feira, que os tucanos vão desembarcar do governo quando ele assumir o comando do partido, o que deve ocorrer na convenção do próximo dia 9. O tom das declarações de Alckmin incomodou o Palácio do Planalto e levou o presidente do PMDB, senador Romero Jucá (RR), a cobrar respaldo na transição até 2018. O presidente Michel Temer vai conversar com o governador, no próximo sábado, em Limeira (SP), para acertar quando será a saída do PSDB.

Geraldo Alckmin (PSDB) é o atual governador de São Paulo e pré-candidato à PresidênciaAgência Brasil/Rovena Rosa

O desconforto no Planalto foi provocado principalmente pelo fato de Alckmin dizer que, se dependesse dele, a sigla nem teria se aliado a Temer. "Eu sempre fui contra participar do governo. Acho que não tinha razão para o PSDB participar, indicar ministro", afirmou o governador, em entrevista à Rádio Bandeirantes.

Alckmin lembrou que o tucano Bruno Araújo já deixou o Ministério das Cidades, disse que "outros terão de sair pelo prazo de desincompatibilização" e pregou uma "política diferente" de agora em diante. "Mas votaremos medidas de interesse do País, independentemente de termos cargos, ministérios ou participar do governo", insistiu.

Questionado se o PSDB abandonaria Temer, Alckmin foi evasivo. "Abandonar no sentido de não ter compromisso, não. Porque temos compromisso, responsabilidade e temos de dar sustentação na Câmara e votar projetos de interesse do País", argumentou ele.

Na avaliação de auxiliares de Temer, o governador começou a dar "sinais dúbios" em sua campanha. O Planalto e a cúpula do PMDB têm interesse em montar uma frente de centro-direita com partidos como PSDB, DEM, PP, PR, PSD e PRB para disputar a eleição presidencial de 2018, mas ainda há um clima de mágoa e desconfiança em relação aos tucanos.

"Prefiro acreditar que o PSDB vai ter juízo e somar forças para ajudar a gente a concluir essa transição. Alckmin tem de conversar com os outros partidos e dizer a que veio", afirmou Jucá. "Existe chance para fazermos uma coligação com os tucanos, mas isso depende das ações. Queremos saber, por exemplo, como o PSDB vai votar na reforma da Previdência. Na política, os atos valem mais do que as palavras."

Geraldo Alckmin prepara saída do PSDB do Governo de Michel TemerMarcos Corrêa / PR

Embora Alckmin tenha falado novamente em desembarque, na prática não se sabe como será essa saída. O ministro da Secretaria de Governo, Antônio Imbassahy, deve ser substituído pelo deputado Carlos Marun (PMDB), mas pode ser deslocado para outro posto na equipe. Luislinda Valois (Direitos Humanos) vai deixar o cargo em breve e Aloysio Nunes Ferreira permanecerá no Itamaraty.

"Essa questão do desembarque já está superada. É um falso dilema Falta só marcar a data", amenizou o senador Aécio Neves (PSDB-MG), principal fiador da participação dos tucanos na gestão Temer. "Levar esse tema à convenção é um desrespeito ao próprio PSDB. O que temos de discutir é o leque de alianças que o PSDB deve buscar."

'Jim Jones'

Para Jucá, o governador de São Paulo terá o desafio de enfrentar a pressão dos chamados "cabeças-pretas", que defendem o afastamento do governo, se quiser ter mais adiante o apoio do PMDB. "Os cabeças-pretas querem que Alckmin tome o ponche do Jim Jones", ironizou o senador, em uma referência ao pastor que convenceu mais de 900 pessoas a se matar na Guiana, em 1979.

Na avaliação do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), pré-candidato ao governo da Bahia, o fato de o PSDB "se arrumar" internamente é o primeiro passo para a construção de uma aliança em 2018. "Mas isso não significa que as coisas serão automáticas Se quiser parceria, em algum momento o PSDB terá de nos procurar", disse ele.

Alckmin fala em privatizar estatais 'petistas'

Caso se consolide como candidato à Presidência da República pelo PSDB em 2018, o governador Geraldo Alckmin (SP) vai defender na campanha a privatização ou o encerramento das atividades de empresas federais criadas nos governos petistas de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Em recentes discursos e falas como pré-candidato, o governador paulista criticou o que considera o inchaço da máquina e o baixo retorno para a população de empresas federais criadas no período de 2003 a 2016.

Esse contingente representa cerca de um terço das estatais federais - 56 das 149 empresas existentes. Alckmin, porém, não se compromete, pelo menos por enquanto, com a venda das principais empresas estatais, como o Banco do Brasil ou a Petrobras.

O tucano já indicou que ao menos três das "estatais petistas" devem fechar as portas, caso ele assuma o Planalto: a Empresa Brasil de Comunicação (EBC); a Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia (Hemobrás); e a Empresa de Planejamento e Logística (EPL).

No caso da EBC, que controla a TV Brasil, o tucano afirma que não tem audiência nenhuma e, por isso, "tem de fechar". A EPL foi criada em 2012 para implementar o primeiro trem de alta velocidade do Brasil. A Hemobrás foi fundada em março de 2005 para produzir medicamentos para hemofílicos a preços mais baixos "Um terço das estatais federais foi criada pelos governos do PT A maioria delas deve ser privatizada. Não tem nenhuma razão para o Estado continuar tocando", afirmou Alckmin.

A lista na mira do tucano inclui também braços da Petrobras - como a Petrobras México, criada em 2005; a sucursal colombiana da Braspetro, existente desde 2003; e a Pré-Sal Petróleo S.A., de 2013; empresas transmissoras de energia, como a Uirapuru, de 2004; e a Fronteira Oeste, de 2013; e ainda empresas independentes de seguros ligadas a bancos, como Caixa Seguridade e Participações; entre outras. O levantamento já faz parte dos estudos do governador paulista de elaboração de uma plataforma eleitoral para o ano que vem.

A tese de Alckmin é de que empresas que dão prejuízo ou consomem recursos sem dar retorno à sociedade não têm razão de existir. Em documento do PSDB divulgado ontem, a redução do Estado e a adesão a privatizações são duas condições consideradas essenciais para o País.

Em nota, a assessoria do PT defendeu a criação da Empresa Brasil de Comunicação. "A EBC é produto de um projeto aprovado pelo Congresso Nacional com base no capítulo da Constituição que prevê a criação de um sistema de comunicação público, a exemplo da TV Cultura do Estado de São Paulo."

O ex-presidente do PT Rui Falcão criticou a proposta de privatizar as estatais. "Somos contra essa política de privatização. Começa-se falando que vai se privatizar a EBC e acaba na Petrobras, no Banco do Brasil e na Caixa Econômica Federal."

Últimas de Brasil