PF deflagra operação contra quadrilha que fraudava processos de licitação

Criminosos desviaram pelo menos R$ 400 milhões

Por O Dia

Belém - A Polícia Federal deflagrou nesta sexta-feira a "Operação Forte Castelo", que tem como objetivo combater criminosos suspeitos de desviar pelo menos R$ 400 milhões de recursos públicos fraudando processos licitatórios, em Belém, no Pará. A ação conta com o apoio da Receita Federal, além do Ministério Público Federal e o Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU). 

Polícia Federal deflagrou Operação contra grupo que fraudava processos de licitações no ParáMarcelo Camargo / Agência Brasil

Segundo a PF, estão  sendo cumpridos 14  mandados de busca e apreensão, quatro mandados de condução coercitiva e cinco mandados de prisão nos estados do Pará, São Paulo e Belo Horizonte.

De acordo com a Receita Federal, que também atuou na operação, o grupo criminoso agia principalmente direcionando licitações e contratos para pessoas jurídicas ligadas a parentes e ex-funcionários de políticos e servidores públicos, cujas empresas passaram a receber recursos da prefeitura Municipal de Belém, grande parte originária dos cofres da União.

Segundo o órgão, em alguns casos, as empresas vencedoras das licitações subcontratavam outras empresas e essas subcontratadas efetuavam os repasses de recursos aos integrantes do grupo criminoso, "tudo com o provável intuito de dificultar o rastreamento em fiscalizações", diz a nota da PF.

Laudos e auditorias dos órgãos envolvidos na investigação mostram fortes indícios de fraudes. O dano ao erário já identificado pela Força-Tarefa é de pelo menos R$ 400 milhões.

Forte Castelo

O nome da operação faz referência a um conhecido ponto turístico da cidade de Belém, fortaleza construída no século XVII com o intuito de oferecer proteção ao povo contra eventuais saqueadores.

Últimas de Brasil