'Não quero ser candidato se for culpado', afirma Lula em reunião com bancadas

Lula declarou que vai lutar para defender a sua inocência e pediu para que os petistas ergam a cabeça para vencer a batalha diante das acusações contra ele e o partido

Por O Dia

Brasília - Em reunião com as bancadas do PT na Câmara e no Senado, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quarta-feira que vai lutar para defender a sua inocência e pediu para que os petistas ergam a cabeça para vencer a batalha diante das acusações contra ele e o partido.

Em discurso, que durou aproximadamente 30 minutos, Lula disse que há uma tentativa de impedir que o PT volte ao poder. "Não quero ser candidato por ser candidato. E não quero ser candidato se for culpado. Eles (acusadores) que apresentem à sociedade uma única culpa. O máximo que conseguem dizer é que Lula sabia", disse o ex-presidente.

'Não quero ser candidato se for culpado'Reprodução Facebook

O presidente de honra do PT disse que não quer que os petistas tenham um candidato "escondido" na sua candidatura, ou seja, um candidato que participa do pleito para não ser preso. Lula ressaltou que tudo que não quer é ser condenado sendo inocente. "Se apresentarem provas contra mim de todas as acusações, terei a satisfação de vir aqui e dizer que não posso ser candidato." Lula repetiu que, se fosse culpado, não teria condições morais de ser candidato. 

O ex-presidente pediu para que os petistas leiam todo o processo contra ele e que desmoralizem "o power point" do Ministério Público Federal de Curitiba. "Neste momento, acho que só temos uma saída: enfrentar a situação de cabeça erguida", disse. Lula também reclamou que tem "algo além do jurídico" nesse processo. "O golpe precedeu da ação dos agentes políticos", afirmou.

Ainda na linha de rebater as acusações que pesam contra ele, Lula reclamou que não tem nada pior para desmoralização de uma alma honesta do que a acusação de desonestidade. Em sua avaliação, houve uma "pactuação diabólica" entre a Polícia Federal, imprensa, Ministério Público e o Judiciário. "Se esse País não voltar à normalidade e as instituições não voltarem a funcionar, esse País não tem jeito", discursou.

Lula passeia por multidão antes de depor a juiz Moro em CuritibaAFP

Lula disse que é respeitador das instituições e afirmou que a democracia só será garantida com instituições sólidas e que essa era sua principal divergência com o ex-presidente venezuelano Hugo Chávez. "É com muita tristeza que vejo hoje o comportamento de setores da PF, do Ministério Público e do Judiciário, que estão totalmente subordinados à opinião pública", disse. O ex-presidente disse que fica "enfurecido" quando a classe política não reage. 

Para Lula, os investigadores só deveriam agir diante da mais verdadeira prova apurada no processo. Ele também reclamou de uma suposta ação política mais forte do que o aspecto jurídico. Ainda assim, Lula disse que continua respeitando as instituições e que quer um Ministério Público forte. "A gente não pode dar a impressão de que é contra a apuração. Ninguém apurou mais que o PT", declarou.

Durante o discurso, Lula também disse que a divulgação da recuperação do dinheiro da Petrobras no âmbito da operação Lava Jato é "falácia" e que o prejuízo maior é a falta de investimentos. "O que não pode prender é a pessoa jurídica", criticou.

O ex-presidente disse que o País vive um momento muito especial e que o PT tem de ter orgulho, levantar a cabeça. "Não abro mão da minha defesa. Caráter a gente tem ou não tem. Estão lidando com um cidadão que tem muito caráter", afirmou. "Faço minha resistência não por mim, mas pelo PT", disse. 

Em diversas situações, o ex-presidente pediu que os petistas acompanhem a investigação para que não façam sua "defesa no escuro". Ele reclamou também que a imprensa vem antecipando a campanha presidencial e que tentam destruir a sua candidatura. Lula recomendou que os petistas reajam às acusações. "Se acharem que vão sobreviver ficando quietos, podem ficar certos de que não vão sobreviver", finalizou.

Últimas de Brasil