Por marta.valim
Total de trabalhadores com carteira assinada cresceu um ponto percentual no quarto trimestre de 2013, em relação ao mesmo período do ano anteriorMarcello Casal Jr. / Agência Brasil

Rio de Janeiro - A taxa de desemprego no Brasil foi de 7,1% em 2013, segundo a nova Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, divulgada nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).   O resultado é inferior ao apurado em 2012,  quando a taxa ficou em 7,4%.

No entanto, a Pnad Contínua mostra taxa de desemprego maior do que a calculada na Pesquisa Mensal de Emprego (PME) pelo IBGE. Em 2013, segundo a PME, a taxa de desemprego alcançou o menor nível de desemprego da série histórica, de 5,4%.

A diferença de resultados entre a nova Pnad Contínua e a PME deve-se à abrangência das pesquisas. Enquanto a Pnad Contínua é nacional e apurada em 3.500 municípios, a PME cobre apenas as seis maiores regiões metropolitanas do país.

Quarto trimestre - Pnad

De acordo com os dados da Pnad, no quarto trimestre de 2013, a taxa de desemprego foi de 6,2%, uma redução de 0,7 ponto percentual em relação ao terceiro trimestre de 2013 e ao quarto trimestre de 2012. A região Nordeste foi a que apresentou a maior taxa , de 7,9%. A região Sul registrou a menor taxa, de 3,8%.  O desemprego foi mais elevado entre os jovens de 18 a 24 anos de idade, com taxa de 13,1%. Nos grupos de pessoas de 25 a 39 anos de idade e de 40 a 59 anos de idade, a taxa de desemprego foi de 6% e 3,2%, respectivamente.

O total de trabalhadores com carteira assinada cresceu um ponto percentual no quarto trimestre do ano passado em relação a igual período do ano anterior e atingiu 77,1% dos empregados do setor privado. A pesquisa indica ainda que o percentual de trabalhadores domésticos com carteira assinada chega a 31,1%.

* Com Agência Brasil 



Você pode gostar