Por bruno.dutra

Rio - A produção da indústria brasileira em setembro teve queda de 0,2% em relação a agosto, divulgou nesta terça-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na Pesquisa Industrial Mensal. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, o resultado foi -2,1%.

No ano de 2014, a produção industrial acumula queda de 2,9%, e, nos últimos 12 meses, baixa de 2,2%. No terceiro trimestre deste ano, a queda foi -3,7% em relação ao mesmo período de 2013.

A expectativa em pesquisa da Reuters era de que a produção industrial subiria 0,20 por cento em setembro na comparação mensal e recuasse 1,5% na anual. O grupo Bens Intermediários foi o único a mostrar contração em setembro sobre agosto, de 1,6%, o suficiente para levar o indicador todo ao vermelho. Na comparação anual, os bens intermediários tiveram queda de 1,7%.

As demais grandes categorias mostraram expansão na comparação mensal, com destaque para Bens de capital (1,9%) e bens de consumo duráveis (8%).

Segundo o IBGE, apenas sete dos 24 ramos da produção mostraram queda em setembro sobre agosto, com destaque para produtos alimentícios (-4,1%) e setores de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-1,3%).

As perspectivas para o setor para o quarto trimestre já se mostram negativas. De acordo com o Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês), a contração da atividade industrial se acentuou em outubro, marcando um início do quarto trimestre difícil.

Neste cenário, os agentes econômicos querem mais sinais de como a política econômica no segundo mandato da presidente Dilma Rousseff será desenhada.

Já foi anunciado que novas medidas de estímulos à indústria virão, num setor cuja confiança registrou primeiro resultado positivo do ano em outubro devido à melhora das expectativas, mas ainda insuficiente para mostrar que está havendo recuperação mais consistente.

Você pode gostar