O poder de Levy

Depois do boletim da agência Standard & Poor's, não seria exagero dizer que hoje as posições se inverteram – o governo é que é refém do ministro

Por O Dia

Joaquim Levy é percebido pelos políticos como o interlocutor de maior credibilidade da equipe da presidente Dilma RoussefABr

O aval da Standard & Poor's ao ajuste, por meio da manutenção do grau de investimento, transforma o ministro Joaquim Levy no principal canal de entendimento do Palácio do Planalto com o Congresso. Ele já tinha sido percebido pelos políticos como o interlocutor de maior credibilidade da equipe da presidente Dilma Rousseff. Com o Legislativo comandado por dois parlamentares hostis ao governo e gestores de uma agenda própria, Levy era o único que domina a dimensão do problema e o que pode ser negociado.

Agora, seu papel ganhou relevância. De diálogo fácil, o ministro aproximou-se do PMDB, gosta de usar a palavra construção para definir sua tarefa e conhece como poucos a forma de se movimentar no poder. Em menos de 90 dias de trabalho, apesar de enfrentar a pior crise de credibilidade desde Plano Real, Levy já tem algo concreto a mostrar. Depois do boletim da Standard & Poor's, não seria exagero dizer que hoje as posições se inverteram – o governo é que é refém dele.

A aposta do mercado

O mercado precisa digerir duas coisas, antes de dar o seu diagnóstico final sobre as reais condições do ministro Joaquim Levy de entregar o que prometeu:

1 o tamanho das concessões políticas que serão feitas pelo governo para conseguir a aprovação das medidas no Congresso;

2 a extensão dos cortes a serem promovidos pelo decreto de contingenciamento do Orçamento.

Somente depois de conhecer os grandes números sobre gastos com Pessoal, Previdência, Custeio e Investimento será possível fazer uma aposta firme no programa de Levy.

Leitura dinâmica

Três conclusões de quem estuda a grave crise que bloqueia o funcionamento da economia e da política:

. Ainda não se chegou ao fundo do poço, o que só acontecerá depois da divulgação de índices econômicos ainda piores que os atuais.
. Crises como a do segundo mandato da presidente Dilma costumam levar à ruptura, salvo no caso de uma guinada radical, a tempo de surtir efeito a curto prazo.
. O comportamento do presidente Lula, apostando na polarização, atrapalha.

Bom, bom, mas...

O decreto 8135, de novembro de 2014, determina que o servidor de email Expresso, usado em 13 dos 39 ministérios, deve ser adotado como produto padrão na Esplanada dos Mistérios. Desenvolvido pelo Serpro, opera inclusive no Palácio do Planalto, mas não no gabinete da presidente Dilma. Alguns técnicos, entre eles até funcionários do Serpro, acham o sistema vulnerável. Funciona bem, mas ainda há questionamentos sobre sua segurança.

Para sair da crise

O ministro do Turismo, Vinicius Lages participa hoje, em São Paulo, do Fórum Panrotas, principal evento do setor. Falará para empresários das áreas de hotelaria, aviação, operadoras e agências de viagens. A pauta será os impactos da alta do dólar e as oportunidades dos Jogos Olímpicos para alavancar o mercado. O ano passado terminou com a expectativa de faturamento de mais de R$ 62,7 bilhões, segundo pesquisa do MTur.

Últimas de _legado_Notícia