Por douglas.nunes

A vice-presidenta do Tribunal Regional do Trabalho 1ª Região (TRT-RJ), desembargadora Maria das Graças Paranhos, concedeu, nesta terça-feira, liminar determinando que pelo menos 70% dos rodoviários do Rio de Janeiro voltem ao trabalho. Em caso de descumprimento, será aplicada multa diária de R$ 50 mil, a ser paga pelo Sindicato Municipal dos Motoristas e Cobradores de Ônibus (Sintraturb).

A desembargadora considerou que o transporte rodoviário de passageiros é uma atividade essencial e que o sindicato é o legítimo representante da categoria. Nesta segunda-feira, audiência de conciliação realizada na Seção Especializada em Dissídios Coletivos (Sedic) não conseguiu chegar a nenhum novo acordo. O pedido de dissídio coletivo de greve foi feito pelo sindicato das empresas, o Rio Ônibus.

De acordo com o diretor de Comunicação do Sintraturb, Gerson Batista, a entidade se mostrou surpresa com a decisão do tribunal. “A gente entende que, apesar de sermos os representantes de fato da categoria, a gente não chamou nenhuma greve. A gente entende que deveriam ser notificados aqueles que foram qualificados ontem [na audiência]”. Batista informa que o departamento jurídico do sindicato foi acionado e irá ao TRT explicar a situação para a desembargadora.

A paralisação, que começou hoje, é organizada por rodoviários que não concordam com o acordo fechado no mês passado pelo Sintraturb, que concedeu aumento de 10% nos salários e elevou o tíquete-alimentação para R$ 140. Eles querem 40% de reajuste e R$ 400 de tíquete-alimentação, além do fim da dupla função de motorista e cobrador.

A Agência Brasil entrou em contato com os grevistas, mas o grupo de rodoviários estava reunido na Central Sindical e Popular (CSP-Conlutas), no centro do Rio. A posição dos grevistas deve ser informada em breve.

Você pode gostar