Livro 'Porta dos Fundos' reúne 37 roteiros dos esquetes da web

Publicação também conta quais foram as situações que inspiraram os vídeos

Por O Dia

Rio - Você nunca encontra seu nome na latinha de refrigerante? Fica nervoso quando chega sua vez na fila do fast-food? Morre de medo de barata e sente raiva dos atendentes de telemarketing? Qualquer semelhança com os famosos vídeos do canal online Porta dos Fundos não é mera coincidência. A estratégia de explorar o ‘nonsense’ das situações cotidianas é o ingrediente principal de uma receita que conquistou mais de 5 milhões de assinantes no YouTube e que agora divulga seu ‘modo de fazer’ em versão impressa.

Recém-chegado às livrarias, o livro ‘Porta dos Fundos’ (Ed. Sextante, 240 págs., R$ 49,90) reúne 37 roteiros dos principais esquetes do grupo e as histórias que levaram cada um a ser criado. “Eu nunca encontro meu nome na latinha e olha que eu me chamo Fábio! Se eu não encontro meu nome, o que dirá a Brigite”, desabafa Fábio Porchat, um dos seis roteiristas que assinam o exemplar. A ideia serviu de inspiração para vídeo ‘Na Lata’, o mais famoso do grupo, que já soma mais de 10 milhões de visualizações.

Equipe do Porta dos Fundos reunida durante o lançamento do livro da trupe%2C que aconteceu em São PauloAg. News

Outro esquete muito popular que está no livro é o ‘Sobre a Mesa’, elaborado após o roteirista Antônio Tabet testemunhar uma cena de grosseria entre um casal em um restaurante. “Pensei no que aquela mulher realmente gostaria dizer para aquele crápula”, diz Tabet.

A imaginação do grupo parece não ter fim. “Toda vez que eu me deparo com um travesti se prostituindo, me pergunto se não é algum amigo passando dificuldades”, devaneia Gregório Duvivier, autor do hilariante esquete, ‘Traveco da Firma’. “Este vídeo está aí para lembrar que todos nós estamos muito próximos de rodar a bolsinha”, ironiza.

Mas o humor do vídeo não perde a graça quando passa para o papel? Porchat diz que não. “Selecionamos os esquetes mais focados no diálogo, menos visuais e, por isso, mais bacanas de serem lidos”, explica. O prefácio, assinado por ninguém menos que Luiz Fernando Veríssimo, corrobora a afirmação. “Nunca antes o humor brasileiro foi tão inteligente”.

Além das prateleiras, o Porta dos Fundos ganhará espaço nas telonas, com um filme que estreia em meados do ano que vem. “Decidimos buscar novos horizontes. Quem curte o nosso trabalho vai gostar de ver a gente em outros meios ”, aposta Fábio. Ele garante, porém, que o canal do YouTube continua firme e forte. “Temos mais de 30 textos aprovados, só esperando pra sair do forno”, diz.

Na internet ou no cinema, no livro ou na boca do povo, o Porta dos Fundos registra um ano de existência como o canal online mais assistido do país, provando que ainda existem portas abertas para quem decide levar o humor a sério.

Últimas de Diversão