Por daniela.lima

Rio - Quem for ao Paço Imperial neste fim de semana vai se sentir numa festa. Cores quentes e formatos psicodélicos ornamentam as paredes, enquanto móbiles com ares carnavalescos pendem da cúpula do museu. De fato, há motivo de sobra para comemorar: após 11 anos longe das galerias cariocas, a artista plástica Beatriz Milhazes volta ao Rio para celebrar os 30 anos de carreira com a maior retrospectiva dedicada à sua produção. 

Maior mostra dedicada a Beatriz Milhazes reúne 61 obras da carioca no Paço ImperialDivulgação


Denominada ‘Meu Bem’, a mostra, que tem curadoria do crítico Frederic Paul, reúne 61 obras, entre pinturas, gravuras e colagens feitas por Beatriz entre 1989 e 2012. “Esse é o período em que passei a pintar usando a técnica de transferência, fundamental para desenvolver minha própria linguagem e explorar formas e texturas com mais liberdade”, explica a artista.

Entre os destaques da exposição está a tela ‘Meu Limão’, que consagrou Beatriz como a artista viva mais valorizada do país, ao ser vendida por R$ 4,5 milhões. A estrutura ‘Gamboa I’, inspirada no cenário que produziu para a companhia de dança da irmã Marcia Milhazes e adaptada especialmente para o Paço, também rouba a cena, logo na entrada da mostra.

Segundo a artista, uma visita a ‘Meu Bem’ é obrigatória para quem quer se aprofundar em seu trabalho. “A escala e a textura dos quadros são parte fundamental para o entendimento da obra”, alerta. Como ver de perto a exposição não tem preço, a mostra é gratuita e vai até o dia 27 de outubro.

PAÇO IMPERIAL. Praça 15 de Novembro 48, Centro (2215-2093). De ter a dom, de meio-dia às 18h. Grátis. Até 27 de outubro.

Você pode gostar