Por tabata.uchoa

Rio - Há mais de 40 anos na estrada sertaneja, Sérgio Reis toma dois caminhos distintos no CD ‘Questão de tempo’. Num deles, pega a viola para fazer festa e graça com músicas bem-humoradas como ‘A mala’ (faixa que apela para o duplo sentido) e ‘Morena faz de conta’. Nessa trilha, tem espaço até para (politicamente incorreta) apologia do álcool, feita em ‘Boteco na esquina’.

Contudo, nem tudo é graça no disco produzido e arranjado por Orlando Baron de apropriada forma tradicionalista. Em trilha mais séria, às vezes até melancólica, o cantor também faz exaltações à vida no mato. Música de autoria de Victor Chaves (da dupla Victor & Leo), ‘Fazenda paraíso’ descreve oásis em que o cantor se refugia com sua família. Já ‘Matuto’ traça o perfil romantizado de um caipira, ‘filho da terra’, como diz a letra. ‘Meu lugar’ bate na mesma tecla da exaltação ao mundo rural enquanto ‘Fã de Jesus’ expõe a religiosidade do brasileiro simples, da cidade ou do campo. Sérgio Reis conhece os caminhos do Brasil.

Sérgio Reis faz graça no CD 'Questão do Tempo' entre odes à vida caipiraDivulgação


Você pode gostar