Festival do Rio: Passaportes começam a ser vendidos nesta terça

É possível comprar dois tipos de pacotes: com 20 ingressos, que custa R$ 180, e com 50, no valor de R$ 400

Por O Dia

Rio - A partir do meio-dia desta terça-feira já possível comprar os passaportes para o Festival do Rio. O evento vai ocorrer entre os dias 26 de setembro a 10 de outubro e gera expectativa entre os cinéfilos cariocas e de outras partes do país. 

É possível comprar dois tipos de pacotes: um com 20 ingressos (R$ 180) e outro com 50 (R$ 400). Os passaportes podem ser adquiridos através do site www.ingresso.com.br. De acordo com a organização, o pacote é pessoal, intransferível e válido apenas para os cinemas com a programação do evento. O cronograma completo ainda não foi divulgado.

O passaporte estará disponível na Central de Ingressos a partir de 25 de setembro (quarta), às 10h. A retirada é realizada somente mediante apresentação dos documentos: identidade, CPF e o comprovante do passaporte da ingresso.com.

Leandra Leal e Bruno Gagliasso protagonizam o filme 'Mato sem cachorro'Divulgação

Conheça os filmes da Première Brasil

EDUCAÇÃO SENTIMENTAL, de Julio Bressane

O filme narra a relação singular entre Áurea, uma professora solitária de 40 anos, e um jovem que ela acaba de conhecer por acaso – um desses encontros que a mitologia e a literatura estão fartos, uma alma sensível que se vê atraída por uma beleza que a solicita, a perturba, a move. Nos dias que se seguem ao primeiro diálogo entre os dois, ela irá mostrar todo o seu sentimento através de aulas em que ele se deixará levar. Até que uma história inusitada do passado se revela e transforma tudo dali por diante. O longa, novo trabalho do mestre Julio Bressane, foi selecionado para o Festival de Locarno.

FEIO, EU?, de Helena Ignez - Estreia mundial

Este filme-manifesto foi realizado a partir de uma oficina para atores. Realizada na Lapa, Rio de Janeiro, no espaço do Cinema Nosso, estendeu-se em locações em Paris e Kerala (Índia). Multifacetado como um caleidoscópio, o filme foi realizado com diversas mídias de captação de imagens e usa esse signo da variedade como conceito primordial. Dirigido pela cineasta e atriz Helenza Ignez, que tem ainda o curta Poder dos afetos nessa seleção.

GATA VELHA AINDA MIA, de Rafael Primot - Estreia mundial

Gloria Polk, uma escritora decadente e amarga, resolve finalmente abrir sua casa e dar uma entrevista a Carol, a jovem jornalista que mora em seu prédio, para falar de sua volta à literatura após um longo jejum. Um filme sobre mulheres, as dificuldades de se relacionar, de envelhecer e ainda sobre o enlouquecedor processo de criação dos escritores. Do diretor Rafael Primot, conta com Regina Duarte, Barbara Paz e Gilda Nomacce no elenco.

MATO SEM CACHORRO, de Pedro Amorim

Deco e Zoé se conheceram quando ele quase atropelou Guto, um cachorro que desmaia toda vez que fica animado. Mas depois de um relacionamento de dois anos, Deco leva um pé na bunda de Zoé, que fica com Guto e de sobra arruma um novo namorado. Deco, revoltado, tentará tomar as rédeas da situação e, com a ajuda do primo Leléo, pegar seu cachorro de volta. Do diretor Pedro Amorim, o filme é protagonizado por Bruno Gagliasso e Leandra Leal.

Documentário

CAUBY - COMEÇARIA TUDO OUTRA VEZ, de Nelson Hoineff - Estreia mundial

O documentário discorre sobre a trajetória do grande intérprete brasileiro Cauby Peixoto, estruturado sobre três pilares: a ideia do eterno recomeço, expressa na maior parte do repertório do cantor; o seu modelo de interpretação, cuja atemporalidade é singular na música popular brasileira; e a sinergia entre artista-plateia-personagem que transcende gerações, fazendo de Cauby, em vida, uma personalidade legendária. Do diretor Nelson Hoineff, de Alô alô, Terezinha e Caro Francis.

MATARAM MEU IRMÃO, de Cristiano Burlan

Reconstituindo os detalhes da morte de seu irmão, Rafael Burlan da Silva, ocorrida há 12 anos, o cineasta Cristiano Burlan lança-se em uma jornada pessoal que conduz ao coração de um círculo de violência em torno dos bairros da periferia paulistana, como o Capão Redondo. É lá que morava a família e onde o irmão, de 22 anos, foi morto com sete tiros em 2001. Explorando as razões do envolvimento do irmão com drogas e roubo de carros, o diretor expõe partes de sua própria história familiar.

SERRA PELADA: A LENDA DA MONTANHA DE OURO, de Victor Lopes

Na década de 1980, no coração da floresta amazônica, 115 mil homens garimparam 100 toneladas de ouro, carregando nas costas uma montanha de 150 metros de altura. Hoje, Serra Pelada se transformou num lago de 150 metros de profundidade, cercado por miséria, disputas e lendas. A aventura da maior corrida do ouro do século XX, e a segunda maior concentração de trabalho humano depois das pirâmides do Egito, é uma história que não acabou de ser contada. E, embaixo de tudo, tem uma laje de ouro. Do diretor Victor Lopes, de Língua – Vidas em português e As aventuras de Agamenon, o repórter.

VINTE - RioFilme, 20 anos de cinema brasileiro, de Carlos Diegues

O documentário celebra duas décadas de cinema brasileiro revelando o papel da RioFilme na sua história recente. Criada no final de 1992, pouco depois do impeachment de Fernando Collor e pouco antes da Lei do Audiovisual, a RioFilme é considerada filha da consolidação democrática do país e uma das mães da retomada, que ajudou a fortalecer a economia e a multiplicar a diversidade de seus filmes. Dirigido por Carlos Diegues.

Últimas de Diversão