Mítico cantor Ozzy Osbourne vem ao Brasil pela primeira vez com o Black Sabbath

Roqueiro e grupo que o lançou iniciam turnê nesta quarta no Brasil e passam pela Praça da Apoteose, no Rio

Por O Dia

Rio - Já aconteceu com milhares de cantores de música sertaneja ou de axé: chegar a uma cidade, Santo André por exemplo, e agradecer “Obrigado, São Bernardo do Campo!” Ozzy Osbourne, vocalista do Black Sabbath — que inicia turnê nesta quarta no Brasil e passa pela Praça da Apoteose, aqui no Rio, no domingo — e homem com histórico de excessos, não poderia cometer um erro geográfico qualquer. Tinha que ser ‘o’ erro. No último domingo, praticamente vestiu uma bandeira brasileira durante a execução do hit ‘Dirty Women’ num show da banda na...
Argentina, país que é eterno rival do Brasil no futebol. 

Ozzy Osbourne veste bandeira do Brasil durante show na ArgentinaReprodução Internet


“Alguém jogou uma bandeira do Peru no palco, nem lembro de ter uma bandeira brasileira lá”,
disfarçou o baixista Geezer Butler, durante a coletiva da banda nesta terça, no Hotel
Fasano, em Ipanema. Ozzy, com cara de “eu fiz isso?”, foi mais direto: “Foi um acidente.
Muitas vezes nem sei em que país estou. O fã jogou uma bandeira no palco e eu resolvi
pegá-la. Bom, foi um erro mundial!”, afirmou, rindo. A mancada do cantor rendeu algumas
vaias e uma notícia no periódico argentino ‘Clarín’.

Quarenta e três anos após a estreia com o álbum ‘Black Sabbath’, a rotina do trio Geezer,
Ozzy e Tony Iommi (guitarra) é bem mais saudável. O guitarrista do grupo britânico, que está
se tratando de um linfoma, toma evidentes cuidados com a saúde e não foi à entrevista
coletiva (a produção alegou que ele “passara mal”, sem mais detalhes). 

O mítico cantor Ozzy Osbourne vem ao Brasil pela primeira vez com o Black SabbathAndré Luiz Mello / Agência O Dia


“Na época, era sexo, drogas e rock’n roll. Hoje é chá, Coca-Cola e voltar para o quarto após
o show”, diz Geezer. “A grande diferença é que estávamos drogados e hoje, não”, conta Ozzy.
As drogas comeram boa parte das lembranças do vocalista sobre um dos melhores discos da
banda, ‘Sabbath Bloody Sabbath’, que completa 40 anos — e cujas músicas foram ignoradas no
atual set list. “Quarenta anos? Isso tudo?”, indaga Ozzy, virando-se para Geezer. “Minhas
memórias são de muitas drogas e só. Minha melhor experiência no Black Sabbath foi saber
sobre o LSD. A pior foi tomá-lo”, brinca.

O Sabbath lança em 26 de novembro ‘Live... Gathered in Their Masses’, DVD gravado logo no
começo da tour de 2013, em 29 de abril e 1º de maio, na Austrália. Mas a razão de existir da
turnê é o novo álbum de inéditas, ‘13’, produzido pelo barbudão mal-encarado Rick Rubin, que
já trabalhou com grupos como Slayer e System of a Down.

“Ele é amigo do Ozzy e já havia falado que, caso voltássemos, ele queria produzir. Foi
natural”, lembra o baixista. “Fizemos como no começo da carreira, com músicas a partir de
gravações ao vivo”. 

Ozzy (D) brinca com Geezer%3A novas turnês dependem da saúde do guitarrista Tony Iommi%2C que se trata de um linfomaAndré Luiz Mello/Agência O Dia


No repertório, pintam, além de hits como ‘Black Sabbath’, ‘Iron Man’, ‘Paranoid’ e ‘Children
of The Grave’, novidades como ‘End of The Beggining’ e ‘God is Dead?’. Esta traz
questionamentos sobre a existência de Deus e vem deixando cristãos de cabelo em pé. “Normal.
Não seríamos o Black Sabbath se não tivéssemos problemas com a igreja”, diverte-se Ozzy.

Apesar do novo giro da banda se chamar ‘Reunion Tour’, não é bem isso. O grupo segue perneta
sem o baterista original, Bill Ward, que não concordou com o valor oferecido a ele para
voltar com o Sabbath. Ozzy declarou recentemente que o músico está “acima do peso” e
apresentava problemas de memória, que o levavam a grudar post-its no kit de bateria. Ao
Brasil, quem vem na batera é Tommy Clufetos, da banda de Ozzy (Adam Wakeman, filho do
tecladista Rick Wakeman, toca teclados e guitarra nos shows).

“Fico bastante triste por Bill Ward não estar aqui com a gente, mas precisávamos continuar e
fazer nossas coisas”, explica Ozzy. O vocalista não arrisca afirmar se o grupo vai dar uma
de Paul McCartney e voltar mais vezes ao Brasil. “Depende da saúde do Tony Iommi. Estamos
cruzando os dedos para que dê tudo certo”.

PREPARE-SE PARA O SHOW

Os reis do heavy metal estão aí! O pontapé inicial da turnê do Black Sabbath no Brasil é
hoje, em Porto Alegre, no Estacionamento da Fiergs. O grupo segue depois para o Campo de
Marte, em São Paulo, na sexta, e, no domingo, traz o circo para a Praça da Apoteose, no Rio.
Em Belo Horizonte, apresenta seus grandes sucessos na terça, na Esplanada do Mineirão.

Últimas de Diversão