Por tamyres.matos

Rio - Sim, ‘Garota de Ipanema’ é uma das músicas mais tocadas e regravadas no mundo. Mas os olhares do planeta se voltaram para Vinicius de Moraes — homenageado pelo DIA em série de reportagens até sábado, quando se comemora seu centenário —, autor da letra da mítica canção, antes de ela estourar no mundo. Mais precisamente, quando a peça ‘Orfeu da Conceição’, escrita por ele, foi adaptada para o cinema pelo francês Marcel Camus. O longa, com trilha de Vinicius, levou a Palma de Ouro no Festival de Cannes e o Oscar de Melhor Filme em Língua Estrangeira, em 1959.

“Acredito que esse filme tenha causado um boom de curiosidade sobre a obra do Vinicius e sobre o Brasil, e ajudou a construir o imaginário mundial sobre o que seria este país”, pondera a cantora Andrea Dutra, que apresenta show com as parcerias de Vinicius e Tom Jobim sábado e domingo no Centro Cultural Banco do Brasil, ao lado do pianista Itamar Assiere.

O Poetinha com Helô Pinheiro%2C musa inspiradora de ‘Garota de Ipanema’%2C admirada por ele e Tom Jobim quando andava pelo bairro aos 17 anosBanco de imagens

A ‘Garota’ estourou no exterior em 1964, com o lançamento do disco ‘Getz/Gilberto’, parceria do saxofonista americano Stan Getz com o cantor — e inventor da batida de violão da bossa nova — João Gilberto. A música virou ‘The Girl From Ipanema’ na versão em inglês, cantada por Astrud Gilberto.

O disco ‘Francis Albert Sinatra & Antonio Carlos Jobim’ (1967), só consagrou mais a canção de Tom e Vinicius em homenagem a Heloísa Eneida Menezes Paes Pinto, a Helô Pinheiro, que tinha 17 anos quando a dupla a viu passar. “É uma das músicas mais tocadas no mundo, em várias línguas, as mais loucas e esquecidas”, observa Mariana de Moraes, neta de Vinicius. “O mais importante é como uma composição tão sofisticada pode ser, e é, a música mais popular, portanto comercial brasileira e mundial.”

A cantora Miucha, que fez uma turnê de quase dois anos ao lado do Poetinha — registrada no disco ‘Tom, Vinicius, Toquinho e Miucha — Gravado ao Vivo no Canecão’ (1977), lembra da desenvoltura do amigo no exterior. “Vinicius era um showman. Como tinha sido diplomata, falava várias línguas, e contava histórias engraçadas, conquistava o público.”

O artista na boate La Fusa%2C em Punta del Este%2C Uruguai%2C onde fez showsBanco de imagens

Já Toquinho começou a parceria com o Poetinha numa temporada em Buenos Aires, em 1969. Na viagem de navio, Toquinho passou mal. “E Vinicius sentado numa escrivaninha, segurando o copo para que não caísse, conversando naturalmente, sem se alterar. Ficou lá ao meu lado, nossa relação começou assim, e logo de cara passei a vê-lo um pouco como irmão, porque ele não sabia ser velho, o que na realidade ele não era”, diz Toquinho.

Você pode gostar