Paulinho da Viola se apresenta hoje e amanhã no Circo Voador

Músico celebra 50 anos de estrada este ano e inicia a temporada de apresentações comemorativas na lona da Lapa

Por O Dia

Rio - Nas paredes da casa onde vive há 30 anos, o amor pela Azul e Branca é visível. Há honrarias, quadros, prêmios. Nos móveis antigos, a águia, símbolo da Portela, resplandece entre livros e outros objetos — a trajetória artística de Paulinho da Viola está entrelaçada à história da agremiação. E é difícil não entoar ‘Foi um Rio que Passou em Minha Vida’, um de seus sucessos, que virou hino portelense, nos palcos por onde passa. 

Paulinho da Viola se apresenta hoje e amanhã no Circo VoadorJoão Laet / Agência O Dia


O cantor, compositor e violonista até vai tentar, mas não deve conseguir deixar de fora, mais uma vez, essa canção nas apresentações que fará hoje e amanhã, a partir das 22h, no Circo Voador. Ainda mais nesses shows, que abrem as comemorações pelos 50 anos de carreira do músico.

“Essa música sempre fica em stand-by. A princípio, ela não está nesse roteiro. Mas, se a gente sentir que o público gostaria de ouvi-la, a gente canta”, avisa Paulinho.
O roteiro de suas apresentações nunca é igual. Nesse espetáculos, alguns sambas que Paulinho da Viola não interpreta há alguns anos vão entrar. É o caso de ‘Pintou Um Bode’, do disco ‘Eu Canto Samba’, de 1989. “São coisas que tenho vontade de cantar. De alguma maneira, você tem que surpreender o público, também”, avisa ele.

Outros sucessos não vão faltar. Entre eles, ‘Sinal Fechado’, ‘Argumento’, ‘Talismã’ (uma parceria de Paulinho da Viola com Marisa Monte e Arnaldo Antunes) e ‘Timoneiro’, feita com o amigo Hermínio Bello de Carvalho. 

Nos shows do Circo Voador%2C Paulinho da Viola vai mostrar canções que não interpreta há muito tempoJoão Laet / Agência O Dia


Espera-se que, em breve, os fãs do portelense desfrutem o disco comemorativo desses 50 anos de estrada. “Estou com algumas composições prontas. Se eu lançar um disco, vai ser de inéditas. Recentemente, estive na Sony. Ainda estou conversando com a gravadora para ver se o disco sai por ela ou não. É por isso que ainda não fiz esse trabalho. Mas teria condições de entrar no estúdio e fazer um disco inteiro. Tem até músicas de outros autores”, explica Paulinho, que nunca perde o tom sereno da voz.

O músico ainda tem outros CDs que pretende lançar. “Tenho dois trabalhos gravados ao vivo, realizados no Teatro Fecap, em São Paulo. O primeiro show foi em 2005 e o outro, cinco anos depois. São dois espetáculos diferentes, com composições que eu não cantava. Tem coisas novas e participações de outros artistas. Estou esperando uma oportunidade para lançar isso”, explica.

Aos 71 anos, Paulinho da Viola ainda tem muito o que oferecer para a música popular brasileira. E, quando os 50 anos de sua trajetória rondam seus pensamentos, o compositor não lamenta, mas desabafa: “A minha reação ao perceber que não vou poder fazer tudo aquilo que queria, imaginava e sonhava é baixar a bola e dizer: ‘Vai devagar’. Não se pode fazer tudo.” E quanto à sua Portela querida? “Devo muito a ela. A escola tem uma história fantástica. A gente sempre espera que a Portela faça um desfile legal e que possa tocar as pessoas”, diz. 

CIRCO VOADOR. Rua dos Arcos s/nº, Lapa (2533-0354). Hoje e amanhã, às 22h. R$120 (estudantes, menores de 21 anos, quem levar 1kg de alimento ou e-flyer pagam meia).

Últimas de Diversão