Por daniela.lima

Rio - Apaixonada pelo Bossacucanova e suas batidas eletrônicas, a vocalista do grupo, Cris Delanno, apresenta amanhã outra paixão sua: o projeto Power Samba Jazz. O show, que acontece no Otto Music Hall, na Tijuca, às 22h, tem Cris ao lado do marido, Alex Moreira — também do Bossacucanova — e em parceria, mais uma vez, com seu mentor, Roberto Menescal, que produz o trabalho. 

Cris Delanno com o mentor Roberto Menescal%2C que produz o trabalhoDivulgação


“Acho que conseguimos montar um repertório alegre, divertido e muito dançante. E ter o Menescal ao meu lado, o homem que alavancou a minha carreira, cantando e me ajudando a crescer enquanto cantora, é realmente um presente”, avalia Cris.

Versátil, a cantora quer levar para os fãs um pouco de tudo. “Nessa apresentação, o público vai poder curtir a mescla deliciosa do samba com o jazz, além de clássicos da bossa nova e da música pop”, entrega a cantora, que divide o palco com o pianista Alfredo Cardim, o baixista Sidão Santos e o baterista Ronaldo Silva.

Amante da música desde muito nova, Cris Delanno iniciou a carreira quando tinha apenas 5 anos de idade. De lá para cá, não parou mais. “Naquela época, eu fazia parte do coral infantil do Theatro Municipal. A carreira profissional mesmo veio aos 17 anos, quando eu me tornei intérprete do grupo do pianista Luiz Carlos Vinhas. No ano seguinte, veio o Bossacucanova”, lembra.

Feliz com o projeto, Cris revela outro desejo: transformar o Power Samba Jazz em disco. “Já existem três músicas prontas, serão dez no total. Seria ótimo se o disco ficasse pronto em setembro. Acho que esse é um mês que tem uma energia boa. A primavera é mais poética. Quero que a pessoa escute o CD e sinta vontade de dançar”, confessa a cantora, que lançou no final de 2013 o primeiro disco produzido em dupla, ‘O Nosso Quintal’, com o marido. “Esse trabalho foi selecionado para o Prêmio da Música Brasileira deste ano. Trabalhar com o Alex é ótimo. Estamos juntos há nove anos e temos uma cumplicidade grande. A intimidade que o relacionamento nos dá transferimos para a música.”

Você pode gostar