Gil celebra a leveza de João Gilberto

Cantor lança em 1º de abril o álbum 'Gilberto Samba'

Por O Dia

Rio - Ao abrir seu álbum ‘João’ (1991) com ‘Eu sambo mesmo’, música do compositor carioca Janet de Almeida (1919 - 1945), lançada em 1946, João Gilberto explicitou sua devoção ao samba, ritmo sintetizado pelo cantor e músico baiano na ‘batida diferente’ do violão que gerou a Bossa Nova. Devoto de João, Gilberto Gil cai no samba leve de seu ídolo no CD que lança em 1º de abril, ‘Gilbertos samba’.

Gilberto Gil lança o CD ‘Gilbertos samba’%2C em que dá voz a dez músicas gravadas pelo cantor João Gilberto Divulgação

Produzido por Moreno Veloso e Bem Gil, o disco tem doze músicas. Duas — a inédita ‘Gilbertos’ (gravada com a participação de Dori Caymmi) e ‘Um abraço no João’ (tema instrumental de 1997) — são músicas de autoria de Gil que, embora nunca gravadas por João, evocam o ‘papa’ da bossa. As outras dez são sambas gravados por João entre 1979 e 2004. Alguns são recorrentes no repertório do cantor, caso de ‘Eu vim da Bahia’, samba do próprio Gil, lançado por Gal Costa em 1965 e gravado por João em 1973 e 2000.

A presença mítica do compositor baiano Dorival Caymmi (1914 - 2008) — fonte de inspiração para a bossa de João por conta de seus sambas buliçosos - também é recorrente no repertório de ‘Gilbertos samba’. Gil regrava ‘Doralice’ — samba de Dorival com o carioca Antonio Almeida (1911 - 1985), lançado em 1945 pelo conjunto Anjos do Inferno (outro objeto de devoção de João) — e ‘Milagre’, samba de 1977 que integrou o repertório de ‘Brasil’, LP de 1981 que reuniu Gil, João, Caetano Veloso e Maria Bethânia. A força do centenário Caymmi é corroborada pela presença de Danilo Caymmi, convidado da já citada faixa ‘Eu sambo mesmo’.

Também devoto de João, Caetano Veloso assina o texto que apresenta ‘Gilbertos samba’ e está representado no repertório por ‘Desde que o samba é samba’, pérola de 1993, lustrada por João em disco de 2000.

A julgar pelas faixas já disponibilizadas, caso de ‘Você e eu’ (de Carlos Lyra e Vinicius de Moraes, 1961), Gil fez um disco leve, com a bossa própria de seu violão.

Últimas de Diversão