Por daniela.lima

Rio - Não diga a Herson Capri que ele não deve levar trabalho para casa. Ele é daquele tipo que gosta de fazer tudo em família. Isso vale desde um almoço de domingo num restaurante a uma conversa na coxia do teatro. No espetáculo infantil ‘A Fada que Tinha Ideias’, em cartaz no Teatro dos Quatro, na Gávea, Herson divide a direção com a mulher, Susana Garcia, e dirige a própria filha Luiza, de 13 anos.

Herson e a mulher%2C Susana%2C dirigem a filha Luiza no teatro e garantem que não dão moleza à jovemDivulgação


“É uma experiência maluca, né? A família inteira no teatro. Mas a gente não favorece a Luiza. Não damos tratamento diferenciado a ela. Somos imparciais”, garante o ator, que sabe separar bem os papéis de pai e diretor. “Às vezes, escapa um ‘filha’ ou ela me chama de pai, mas é só isso”, acrescenta.

A parceria entre Herson e Susana se estende também à peça ‘Querida Mamãe’, com temporada até o dia 7 de maio no mesmo teatro. Os dois dirigem Stella Freitas e Cássia Linhares na produção, e afirmam que dividir essa tarefa é mais prazerosa do que estressante. “É claro que discordamos de vez em quando, pensamos de maneiras opostas, mas temos maturidade para chegar a um consenso sem muitos problemas. No máximo, uma discussão saudável”, aponta Herson, que tem o apoio da mulher. “É uma responsabilidade trabalhar em família. Fora isso, é mais alegria do que problema”, reforça Susana.

Pai também de Laura, Pedro e Lucas, o ator tenta lidar da melhor forma com as vontades dos filhos. “A decisão de como impor limites e saber quais são esses limites é muito difícil. Busco sempre o equilíbrio. Mantenho diálogo aberto com eles e sobre qualquer assunto. Às vezes, espero que venha deles a iniciativa”, conta ele.

Parece até que Manoel Carlos se inspirou na vida de Herson para criar o nome da novela das 21h, ‘Em Família’, na qual o ator vive o piloto Ricardo. Na trama, Herson vai do marido adúltero de Branca (Ângela Vieira) ao namorado apaixonado de Chica (Natália do Vale).

“Ricardo é mais um galã na minha vida, entre tantos. Posso dizer que ele tinha outros relacionamentos porque seu casamento já estava falido. Ele não estava feliz em casa, por isso tinha outras mulheres. Isso é comum e dá para entender. Desde que se viu apaixonado pela Chica, não teve outras mulheres”, defende Herson, que acredita na fidelidade masculina. “Os homens conseguem viver sem uma pulada de cerca, sim. Se estiverem felizes com suas parceiras, isso não é nada difícil.”

Aos 62 anos, Herson continua mexendo com o imaginário feminino e revela que fica lisonjeado com o elogio. “É gostoso saber disso. Meu ego fica bastante massageado. Mas não me iludo”, admite. “Estética é uma coisa genética, não se pode interferir. Não sou vaidoso a ponto de fazer uma plástica. O que eu faço sempre, e que me faz muito bem, é malhar, fazer exercícios físicos. Isso me deixa equilibrado.”

Você pode gostar