Por daniela.lima

Rio - As prateleiras e tetos das lojas, repletos de ovos, barras e bombons, anunciam a proximidade da Páscoa. Para muitos que estão seguindo uma dieta, a data representa o apogeu da maior das tentações: o chocolate. O alimento, rico em calorias e gordura, pode arruinar os planos de emagrecimento. Mas, calma: há alternativas para não enfiar o pé na jaca no próximo domingo. 

A alfarroba tem aparência e gosto similar ao do chocolate%2C mas tem a vantagem de ser muito mais leveDivulgação


A alfarroba tem aparência e gosto similar ao do chocolate, mas tem a vantagem de ser muito mais leve. Por conta da semelhança, o fruto, que pode ser encontrado em pó e em barra, vem se tornando queridinho dos chocólatras que vivem de olho na balança.

“A alfarroba é a vagem de uma planta e tem um sabor bem próximo ao do chocolate amargo. O pó de alfarroba é muito rico em fibras e tem muitos açúcares naturais, o que, muitas vezes, dispensa a adição de outros açúcares, além de, dependendo da receita, não precisar de leite. Já o cacau, quando consumido em forma de chocolate, tem a gordura do leite e outras gorduras, que o tornam bem mais pesado”, afirma a personal diet Camila Nunes. Por já ser naturalmente adocicada e dispensar o açúcar, a alfarroba é aliada dos diabéticos.

Contudo, a nutróloga Ana Luísa Vilela Barbosa, especialista em emagrecimento e diretora da clínica Slim Form, alerta para o fato de que mesmo a alfarroba precisa ser consumida com parcimônia. “Ela tem mais fibras, mas, dependendo da quantidade, pode ser tão calórica quanto o chocolate amargo”, afirma Ana.

Mas mesmo quem não abre mão do chocolate original pode fazer escolhas que não destruam a dieta na semana que vem: os chocolates meio amargo e amargo são os mais recomendados. “Eles têm função antioxidante, ajudam na circulação do sangue, desentopem as artérias e amenizam inflamações”, garante Ana Luísa.

Os fãs de chocolate ao leite e os demais (crocante, com frutas, cereais etc.) devem seguir a boa e velha regra da moderação. Já os amantes de chocolate branco devem ter cuidado. “O branco não é chocolate, não tem cacau em sua composição. Quem escolhe esse tipo acaba consumindo apenas manteiga de cacau, gordura e açúcar”, diz a nutróloga.

“O ideal é não comer em jejum ou no meio da tarde, mas sempre após uma grande refeição, quando o organismo, concentrado em digerir outros nutrientes, acaba absorvendo menos a gordura ingerida no chocolate”, dá a dica Camila Nunes. Outra sugestão bastante simples é comer o chocolate em temperatura baixa. “Indico aos meus pacientes que comam o chocolate gelado, quase congelado. Assim, ele vai derretendo na boca, prolongando a duração da mastigação, saciando. Ajuda a controlar a compulsão, por durar mais”, explica Ana Luisa.

A quem, mesmo com as dicas, acabar exagerando e sentindo aquele peso na consciência na segunda-feira, resta reforçar as atividades físicas e, com determinação, após uma farra chocólatra, retomar a dieta...

CHOCOLATE COM PIMENTA 

Uma barra de chocolate amargo de sua escolha
Uma colher de sopa de iogurte natural desnatado
Pimenta do reino
Canela

MODO DE FAZER: derreta a barra de chocolate em banho-maria e adicione a colher de iogurte natural desnatado, mexendo até ficar homogêneo. Adicione canela e pimenta a gosto. Sugestão: duas colheres de chá de canela e uma de pimenta. Resfrie no congelador por 30 minutos.

A canela e a pimenta são alimentos termogênicos, que ajudam a acelerar o metabolismo e aumentam o gasto de calorias. Para quem quiser adicionar fibra à receita, basta usar uma colher de sopa de farinha de linhaça, chia ou quinoa na mistura.

Receita da personal diet Camila Nunes

CREME DE ALFARROBA 

Uma barra de 50g de alfarroba

Duas colheres de aveia

Uma xícara de leite desnatado

Uma colher de amido de milho

Três colheres de açúcar mascavo

MODO DE FAZER:em uma panela, coloque a barra de alfarroba e mexa bastante até que ela derreta. Adicione o leite, a aveia, o açúcar e o amido, mexendo sem parar até engrossar. Desligue o fogo. Servir gelado. Rende duas porções. 

Receita da nutróloga Ana Luísa Vilela Barbosa



Você pode gostar