Praça Tiradentes vira novo point

Pessoas de todas as idades se encontram em histórico polo cultural do Centro do Rio, que ganha novos ares com charme, jazz e samba, além dos tradicionais teatros e sinucas

Por O Dia

Rio - Um ponto de encontro de ritmos e pessoas de todas as idades, que têm um objetivo em comum: se divertir. Esse cantinho democrático atende pelo nome de Praça Tiradentes, que além dos já conhecidos teatros Carlos Gomes e João Caetano, está bombando de novidades. 

Após o trabalho%2C a black music dos anos 80 é a pedida para relaxarBruno de Lima / Agência O Dia


Fundado em 1936, o Bilhar Rio Guanabara é o cenário do Baile de Charme Happy Hour New Black, festa que está fervendo as noites de quarta-feira. “A gente começa às 18h para pegar o pessoal que está saindo do trabalho. Aqui as pessoas agitam na pista, jogam sinuca e assistem aos jogos de futebol. A entrada das damas é grátis, porque elas merecem”, diz o DJ Marcelo Peixe, que comanda as carrapetas e é o organizador do evento.

Charmeira de carteirinha, Andrea Cristina, de 37 anos, moradora de Campo Grande, não troca a Praça Tiradentes por nada. E essa assiduidade não se deve exclusivamente à sua paixão pela black music. “A Praça Tiradentes é um lugar de fácil acesso, tem condução para todo lado, e os locais não costumam ser caros. É muito bom relaxar no meio da semana fazendo os passinhos”, conta a vendedora, que garante que todo mundo é capaz de aprender a dança.

E curtir a noite do Centro do Rio não é privilégio dos cariocas. “Como temos dois hotéis no entorno, os turistas estrangeiros estão prestigiando bastante as casas da redondeza. É possível que uma galera já esteja migrando da Lapa para a Praça Tiradentes”, acredita Peixe. A segurança é outro ponto destacado pelo DJ: “O aumento no movimento na área e a iluminação fizeram com que essa parte do Centro ficasse menos violenta.”

Não é exclusividade dos charmeiros se sentir em casa em um dos lugares mais tradicionais da cidade. Instalada na Praça Tiradentes desde 1942, a antiga Gafieira Estudantina, que foi rebatizada de Centro Cultural Estudantina Musical, abre o seu espaço para os mais diversos estilos. Mas a noite de quarta-feira virou a sensação nos últimos meses. O feito é graças ao som moderno da Banda Afro Jazz. “Mesclamos ritmos brasileiros, como forró, maracatu, samba e baião com uma pitada de jazz.

ambém temos influência de música africana e americana. O nosso público é jovem, entre 20 e 40 anos, que curte novidade e som de qualidade. E a gente faz um show diferente a cada semana”, frisa Eduardo Santana, trompetista e líder da banda. O músico acredita tanto no potencial desse novo point da cidade que sonha ver a Praça Tiradentes alçar voos mais altos: “Essa praça é tão linda que deveria receber shows ao ar livre. Vejo esse espaço com um grande potencial para ser um polo de cultura de rua.”

E quem pensa que a Praça Tiradentes só é agitada em dias úteis, está enganado. Os fins de semana também fervem. No Centro Cultural Carioca (CCC) é impossível ficar parado aos sábados, com o grupo de samba Sururu na Roda. Tocando há 13 anos nessa casa, Fabiano Salek, voz e percussão, faz questão de ressaltar a capacidade turística da região e festeja que tenha sido recém-redescoberta. “A Praça Tiradentes é um ponto histórico do Rio que abriga patrimônios da cultura carioca como os teatros, a Gafieira Estudantina, o Centro Cultural Carioca, além de inúmeros bares e restaurantes tradicionais”, lista ele, empolgado.

Sobre a possibilidade de a Praça Tiradentes virar uma nova Lapa, Salek é enfático: “Tomara que sim! Quem ganha com isso é a cultura carioca”. Sérgio Manso, um dos proprietários do CCC, já enaltece o ambiente familiar da sua casa e de outros espaços da região. “Todo sábado tem gente comemorando aniversário. Os clientes gostam de dançar e ouvir boa música. Recebemos um público adulto, de 30 a 60 anos.”

Mas o alcance vai além do que relata Manso. Um frequentador assíduo das noites de sábado no CCC tem nada menos que 78 anos. Seu Estanislau Oliveira, morador de Guadalupe, não perde um show do Sururu na Roda. “Quando minha mulher não pode ir, vou com as minhas filhas. Além do Sururu ser o melhor grupo de samba, gosto da Praça Tiradentes porque é um lugar de fácil acesso e muito bonito. Olhar para os seus prédios históricos é uma viagem no tempo”, elogia. A Tiradentes é de todos!

ROTEIRO DA PRAÇA

Afro Jazz Convida. Centro Cultural Estudantina Musical. Praça Tiradentes, 79 (2232-1149). Às quartas, 22h30. Grátis.

Baile de Charme Happy Hour New Black. Bilhar Rio Guanabara. Rua Pedro Primeiro, 7, Centro (7860-0868). Às quartas, de 18h à meia-noite. Mulheres grátis e homens R$10.

Jim. Teatro Carlos Gomes. Praça Tiradentes, 19 (2224-3602). Sexta e sábado, às 20h. Dom, às 19h. R$40.

Quando a Gente Ama. Teatro João Caetano. Praça Tiradentes, s/n (2332-9166). Quinta a sábado, 20h. Dom, 19h. De R$30 a R$ 60.

Sururu na Roda. Centro Cultural Carioca. Rua do Teatro, 37 (2242- 9642). Aos sábados, 22h. R$25.

Reportagem: Regiane Jesus

Últimas de Diversão