Por tabata.uchoa
Julieta já gravou ao lado de Marisa Monte%2C Érika Martins%2C Otto e Lenine%2C teve um disco coproduzido por Jaques Morelenbaum e sonha dividir canções com outros brasileirosDivulgação

Rio - Uma das artistas da música mexicana mais reconhecidas no mundo, a cantora Julieta Venegas pouco a pouco vai conquistando um público fiel no Brasil. Prova disso é que, um ano depois de apresentar o show de seu disco mais recente (‘Los Momentos’, 2003) no país, ela já está de volta: no Rio, canta amanhã e domingo na Miranda, na Lagoa.

“Vir cantar no Brasil, em parte, é um egoísmo meu, porque venho porque gosto de vir para cá (risos). Comecei pela música: conheci artistas, gravei com eles, cantamos juntos e foi surgindo a possibilidade de fazer shows. Isso só vai aumentando a cada vez que venho aqui”, lembra ela.

Julieta já gravou ao lado de Marisa Monte, Érika Martins, Otto e Lenine, teve um disco coproduzido por Jaques Morelenbaum (‘MTV Unplugged’, 2008) e sonha dividir canções com outros brasileiros. “Tem o Caetano Veloso, que sempre foi uma inspiração, adoro, acho o máximo. Estive com ele três vezes, mas sempre muito rápido, só ‘oi’ e tal”, conta. “O Marcelo Jeneci também, gosto muito. Adoro sua música e espero conhecê-lo. No meu show anterior no Brasil, estive com o Silva. Escutei esses dias com a Fernanda (Takai) o disco novo dele, que é muito jovem e talentoso, meio gênio”, elogia.

As apresentações da turnê são baseadas em ‘Los Momentos’, mas trazem uma sonoridade diferente do CD. “O disco tem muitos timbres sintéticos, teclados, ritmos programados. Mas ao vivo gosto de combinar com coisas que não estão no disco, como o acordeom, que no álbum tem pouca presença. O show tem sua própria dinâmica”, conta ela.

Depois do Brasil, ela faz mais quatro apresentações e encerra a turnê. Provavelmente será um tempo para cuidar da vida pessoal, já que, no início desde ano, Julieta perdeu uma briga na Justiça: o musicólogo argentino Rodrigo García Prieto teve reconhecida a paternidade da filha da cantora, Simona, nascida em 12 de agosto de 2010 (que havia sido registrada só como filha da artista), além do direto a visitar a criança.

“É assunto privado, prefiro não falar sobre isso. As pessoas só sabem do que sai na mídia, e o problema é que as coisas aparecem de forma diferente do que realmente são”, desabafa ela.


Você pode gostar