Por daniela.lima

Rio - Quase dez anos após largar a informática e investir no trabalho de escritora, a carioca Patrícia Barboza levou um susto com o sucesso de ‘As M.A.I.S.’, lançado em março de 2012, narrando a história de uma turma de quatro meninas adolescentes. Que virou série e ganha o quarto volume, ‘As M.A.I.S. 4 — Toda Forma de Amor’ (ed. Verus/Record, 200 págs., R$ 20). “Começaram a pedir que virasse série. Fiz um segundo livro em um mês. Depois do primeiro, cada volume é narrado por uma das meninas”, conta.

Patrícia Barboza está no Salão FNLIJ conversando com leitoresJoão Laet / Agência O Dia


A sequência aposta nas personalidades diferentes das quatro meninas: Mari é a atrapalhada, Aninha, a intelectual, Ingrid é a romântica e Susana, a esportista. As duas primeiras já ganharam livros próprios, e agora é a vez de Ingrid ganhar o seu. Patrícia lança a obra durante a semana no Salão FNLIJ do Livro para Crianças e Jovens, das 10h às 16h, no estande da editora.

Em ‘Toda Forma de Amor’, o colégio das meninas participa de um reality show que revela um popstar pela internet. “Eu pesquiso muito para tentar entender o que as meninas de hoje pensam, do que elas gostam, e isso vai parar nos livros”, diz Patrícia. Em cada um dos volumes, a autora escreve adotando a personalidade de uma das garotas da turma. “Mostro o quanto elas amadureceram, sem forçar a barra. Não dá para rolar um ‘como essa menina amadureceu!’ de uma hora para outra. Mas, no primeiro livro, elas estavam no nono ano (ensino fundamental) e agora, estão no ensino médio.”

Amanhã às 14h, no salão, Patrícia também participa de um bate-papo sobre o conto ‘Do Alto da Torre’, que escreveu para ‘O Livro das Princesas’. Dividida por ela com Paula Pimenta e as americanas Lauren Kate e Meg Cabot, a edição traz reinvenções pop de antigos contos de fadas (no caso de Patricia, o de Rapunzel).

O fato de haver muitas escritoras especializadas em livros para meninas é uma novidade para a própria Patrícia. “Tive muitas referências masculinas: Pedro Bandeira, Monteiro Lobato, Mauricio de Sousa”, recorda. “O meu tipo de escrita está mais para a comédia. É engraçado, porque às vezes me dizem ‘li seu livro e me emocionei, chorei etc.’ e eu respondo: ‘Nossa, me diz onde foi que eu errei! Não era para ninguém chorar!’”, brinca.

Patrícia tem projetos para adultos (adultas, na verdade) na manga. “Escrevi um livro com perfil ‘chick lit’ (literatura para adultas). É uma comédia romântica que tem aquela coisa de mulheres com mais de 18 anos que buscam a realização profissional, procuram um amor e acontecem umas pataquadas no meio do caminho”, adianta, rindo.

Você pode gostar