Por karilayn.areias

Rio - Uma tragédia carioca dos anos 90 inspirou o compositor recifense Tagore Suassuna, 25 anos, a compor ‘Ilhas Cayman’ — primeiro single de seu segundo álbum, ‘Movido a Vapor’, cujo show de lançamento acontece no Espaço Cultural Sérgio Porto, no Humaitá, nesta sexta-feira. Ocorrido em 1998, quando o compositor tinha 9 anos, o desabamento do edifício Palace II, na Barra da Tijuca, era uma lembrança permanente para ele.

Tagore%3A inspiração no som pernambucano e no rock dos anos 70Divulgação

“É uma canção sobre a onda de indignação que rola hoje no Brasil”, relata. “Mas o ponto de partida dela foi o caso do Sérgio Naya (construtor responsável pelo prédio). Depois do desabamento, ele foi visto dizendo que beber champanhe em taças de plástico era coisa de pobre. E na época se falava muito dos políticos que tinham dinheiro nas Ilhas Cayman.”

Músicas como ‘Movido a Vapor’, ‘2012’ e ‘Vagabundo Iluminado’, presentes no disco de Tagore, lembram o som que se fazia no Recife nos anos 70. “O Ave Sangria (banda pernambucana de rock da época) é uma grande influência. Escuto desde 2005, em MP3. Queria muito achar o vinil original disso!”, conta Tagore. O cantor resgatou uma foto sua bem politicamente incorreta para a capa do disco: em seu aniversário de 1 ano, ele posa com um cigarro na boca. “Isso foi ideia do meu pai!”, diverte-se. “A única mudança que foi feita é que a foto original era em preto e branco. Tinha tudo a ver com o nome do disco.”

Além do material próprio, ele regravou ‘Morena Tropicana’, de Alceu Valença, e ‘Todos Os Olhos’, de Tom Zé. “Conheci Tom por amigos e é um cara que carrego no meu peito. E adoro os primeiros discos do Alceu Valença. Não tem como nascer aqui e não conhecer o som dele.”

Nem sempre Tagore, que é parente do poeta e romancista Ariano Suassuna (“meu avô era primo dele”, conta), foi tão ligado às raízes. “Minha antiga banda, Keith, se inspirava nos Strokes. Não tinha nenhum cunho regional. Mas minha família é toda de cantadores e violeiros. Um dia fiz uma viagem a Caruaru (interior de Pernambuco) e me interessei em produzir algo que tivesse a ver com a cultura brasileira”, recorda.

Você pode gostar