Filme ‘Transformers: A Era da Extinção’ traz tudo ao mesmo tempo agora

Sequência do longa peca por ser uma espécie de coletânea de boas cenas de ação

Por O Dia

Rio - Não é só pelo fato do longa tratar de alienígenas, mas o sucesso da saga ‘Transformers’ só pode ser coisa de outra planeta. Em seu quarto filme, ‘Transformers: A Era da Extinção’, são tantos elementos, informações e corre-corre que fica difícil assimilar tudo. E olha que tempo a gente tem de sobra: são 165 minutos de trama.

O ator Mark Wahlberg como o inventor Cade%2C de ‘Transformers%3A A Era da Extinção’%2C quarto filme da sagaDivulgação


Por falar nisso, o roteiro reúne tantas ideias e chamarizes de audiência que sua descrição se torna meio louca. O filme começa anos após a história do terceiro, em um tempo em que os Transformers são caçados pelo governo americano. O que ninguém sabe é que há uma aliança entre o FBI e um Transformer do mal chamado Lockdown, à procura de uma arma chamada Semente, que só Optimus Prime sabe onde está.

O cientista Joyce (Stanley Tucci) aparece como o terceiro elemento dessa negociação. Todos os Transformers abatidos pelo governo são entregues a ele como matéria-prima de um experimento secreto. Derretidos, eles viram material para a criação de outros robôs, controlados por Joyce.

Tudo vai bem até um inventor de fundo de quintal chamado Cade Yeager (Mark Wahlberg) comprar um caminhão velho e descobrir que, na verdade, ele é o Optimus Prime, líder dos Transformers na Terra. Daí, já dá para imaginar que começa uma longa caçada. Yeger se alia aos alienígenas injustiçados, sai pelo mundo com sua filha, Tessa (Nicola Peltz), e o namorado dela, Shane (Jack Reynor), até parar na China.

O que podemos dizer resumidamente disso tudo? Que o diretor Michael Bay resolveu investir em uma história com mais acontecimentos acumulados em um espaço de tempo que o cérebro humano pode assimilar de uma só vez. A cobiça até permeia a trama, mas a sensação que fica é a de que apresentar uma coletânea de cenas de ação de ótima qualidade é mais importante do que qualquer outra coisa.

Últimas de Diversão