Cinebiografia de Paulo Coelho lota abertura do 'VI Paulínia Film Festival'

Exibição do longa atraiu multidão para o Theatro Municipal Paulo Gracindo, em São Paulo

Por O Dia

Paulínia - Na noite de abertura do 'VI Paulínia Film Festival', na última terça-feira, a sessão de 'Não Pare na Pista - A Melhor História de Paulo Coelho' lotou o Theatro Municipal Paulo Gracindo, na cidade do interior de São Paulo. A cinebiografia da vida do escritor foi concorrida. Quase 1300 pessoas estiveram presentes e chegou a faltar cadeira para acomodar o público. 

'Não Pare na Pista - A Melhor História de Paulo Coelho' abriu a edição 2014 do festivalDivulgação


Com livros traduzidos para várias línguas e sucesso em vários países, Coelho, que mora em Genebra, não esteve presente, mas mandou o seu recado pelo Twitter: "Na época da Sociedade alternativa, eu iria sem convite, hoje, às 19h, no Festival de Paulínia e dava um jeito de entrar". Há algum tempo ele demonstra-se mais recluso, mas cada uma de suas investidas na rede social são comemoradas pela equipe do filme.

"Ele tem milhões de seguidores no Twitter. Então, quando publica algo lá, consegue falar com muito mais gente do que quando lotamos uma sala de cinema", diz a roteirista Carolina Kotscho ('Dois Filhos de Francisco'). Aliás, ela é a responsável por esse projeto dirigido por Daniel Augusto. Para contar a vida de Coelho, da adolescência até quando publica o seu primeiro livro, ela conviveu com o biografado, com quem viajou por oito países.

"Quando mostramos o filme fora do Brasil, as pessoas não tem ideia do envolvimento dele com a música, esse lado rock in roll do personagem", diz Carolina. Foi a mesma coisa com o ator Ravel
Andrade. Ele interpreta o autor mais jovem, enquanto o seu irmão Julio Andrade, o autor mais velho. "Demorou a cair a ficha que era um papel super importante e que ainda sera feito ao lado do meu irmão. Levei um tempo para entender quem realmente é Paulo Coelho", confessa Ravel.

O diretor já era vidrado na vida do escritor, desde quando ouviu 'Gita' pela primeira vez aos 4 anos. Ao começar suas pesquisas para rodar o filme, marcou um encontro de duas horas com Coelho, que
acabou se estendendo para 10 horas. "O Paulo adora cinema e a conversa rendeu! Depois disso marcamos um encontro dele com o Julio, depois outra em Santiago de Compostela (Espanha) e o último para mostrarmos o filme já pronto para ele", lembra o cineasta, que completa: "Quando ele assistiu, riu, chorou e se emocionou bastante".

Um dos brasileiros mais famosos no mundo, Paulo Coelho arrasta uma legião de fãs por onde passa. Não à toa, o lançamento internacional de sua cinebiografia já está sendo negociado em outros países. Porém, por aqui, sua obra sempre dividiu a crítica e os leitores. O que não intimidou a equipe do longa. "Ele desperta sentimentos intensos por onde passa. Ou o amam, ou o odeiam. Mas o que vale é que sua história de vida é muito boa e a maioria das pessoas sabe disso", avalia a
roteirista.

Últimas de Diversão