Luis Pimentel: Noites de sábado

Ele pensou em dizer bem feito, mas disse apenas: 'Detesto noites de sábado.' Só para não recomeçar a discussão

Por O Dia

Luis Pimentel%3A Noites de sábadoNei Lima / Agência O Dia

Rio - Ela queria porque queria ver um filme que passava no Estação Botafogo. Depois, uma pizza no Leblon. Um vinho com casal amigo, comentando as trapaças da sorte, a dieta da lua, as oscilações da economia. Nos planos dele, um joguinho no Maracanã. Daqueles flamenguistas que ainda acreditam na ressurreição do Zico. Depois, uma cerveja nas imediações do estádio com a galera. Para maldizer a hora em que saiu de casa, xingar o juiz, pedir a substituição do técnico.

Ela disse: “Programa besta ir ao jogo em um sábado à noite.” Ele disse: “Não é à noite, começa às seis e meia da tarde, é quase noite, depois fazemos um programa juntos.” “Depois você vai estar podre, puto com a derrota e cheio de cerveja”, disse ela. “Você está me ofendendo”, ele chiou.

Ele disse: “Programa besta é enfrentar filas horríveis de cinema no sábado à noite, quando todos os macacos deixam os galhos em busca de cultura inútil.” Ela disse: “Sei, sei, muito bem, cultura útil então é amassar a bunda na arquibancada do Maracanã, vendo o time do coração e do desespero apanhar.” Ele se lembrou do Chico e pensou em cantarolar: “Quieta, que eu quero ouvir Flamengo e River Plate”. Mas o jogo era contra o Vitória, então ficou quieto.

Ela não ficou quieta. Falou: “Só uma besta vai numa noite de sábado ver Flamengo e Vitória.”
Ele disse: “Você não sabe o que fala, está dizendo uma grande bobagem. Aliás, seu papo anda muito chato.”

Ela riu e disse: “Sei. Papo bom quem tem são aqueles fanáticos tapados que vão contigo pro bar, depois do jogo, arrotar sobre o chope e falar merda no balcão, deixando as mulheres em casa.”
Ele riu e disse: “Sei. Bom mesmo é sentar­se à mesa da Pizzaria Guanabara, com Estelinha e Lúcio Geraldo — vê o nome do cara, Lúcio Geraldo, riu mais debochado ainda — e ficar falando de moda e novelinha de TV.”

Ela berrou: “Quer saber de uma coisa? Vai pro teu Maracanã que eu vou ao cinema, vou jantar com amigos, vou fazer o que quiser.”
Ele disse: “Bem pensado. Faça isto. E eu vou para onde bem quiser e entender. Afinal, não nascemos grudados, nascemos?”

E foi pro Maracanã. Ela se vestiu e rumou pro cinema. Depois foi jantar com o Lúcio e a Estela. No reencontro, ficaram meia hora calados, até ela tomar a iniciativa e perguntar como foi o jogo.
Ele disse: “Perdemos”, e quis saber que tal o filme e o jantar. “O filme é chato”, ela disse. “Lúcio Geraldo e Estelinha estavam chatíssimos. Foi uma noite horrível. Detestei.”

Ele pensou em dizer bem feito, mas disse apenas: “Detesto noites de sábado.” Só para não recomeçar a discussão.

Últimas de Diversão