Por karilayn.areias

Rio - Quem diria que Malvino Salvador já foi traído e passado para trás? E isso não aconteceu apenas uma vez. Foram duas vezes. Ele mesmo é quem conta a história, vivida nos palcos e na vida real. Após cinco anos afastado do teatro, o ator volta com força total na peça ‘Chuva Constante’, de Keith Huff, que estreia amanhã no Teatro Leblon. O desafio é gigante, já que, na Broadway, o papel de Malvino foi vivido por Hugh Jackman.

Malvino Salvador contracena com o ator Augusto ZacchiDivulgação

A peça, dirigida por Paulo de Moraes, conta a história de dois policiais que se envolvem em acontecimentos que, futuramente, provocam uma ruptura entre eles. “Isso coloca em xeque assuntos inerentes à amizade, lealdade. Existe uma traição no meio”, conta Malvino.

Na trama, o ator interpreta Denny, o amigo traído. “O cara vai tomando tudo do outro aos poucos. Um é bem passional, impulsivo. O outro é mais passivo. Mas, com o tempo, isso vai mudando”, explica. Preparando-se para dar vida ao próximo personagem, o ator lembra que também já foi traído.

“Mas não como o Dennym, Graças a Deus. Já houve caso em que traíram minha confiança, algo relacionado a dinheiro. Duas vezes. E isso é horrível. Mas não sou de guardar rancor, me liberto”, afirma ele.

Pessoas que costumam trair os amigos não têm segunda chance na vida do ator. “Esse tipo de gente eu descarto da minha vida, não fico remoendo. Serve para a gente aprender. Nem por isso eu me fecho para novas amizades, também não vou deixar de ser generoso por causa das decepções. Eu confio nos meus amigos. Sou de poucos e muito bons amigos. Seleciono mesmo. Não fico sambando por aí com qualquer um.”

Só mesmo um projeto muito interessante para marcar a volta de Malvino aos palcos. “Esse autor é roteirista, produtor de programas de TV, já escreveu séries como ‘House of Cards’ e ‘Mad Men’, então tem uma linguagem cinematográfica e consegue imprimir isso no teatro. O espetáculo foi sucesso na Broadway porque foi feito por dois astros do cinema (Hugh e Daniel Craig). Eles desenvolveram um trabalho bem bacana e esse foi um dos motivos pelo qual eu também quis fazer. A qualidade do texto, a forma como a história é contada, o jogo de cena. Tudo é muito bem feito. Esse é um personagem complexo. Bem diferente dos outros que vivi”, avalia.

Em sua última peça, ‘Mente Mentira’ (2009), Malvino tinha todo o projeto amarrado em suas mãos. Dessa vez, está mais folgado. “Estou retomando a parceria com o Paulo, sou muito fã dele. Quando visualizei ‘Chuva Constante’, vi que tinha que chamá-lo para a direção.” O ator Augusto Zacchi, com quem Malvino contracena, também ganha elogios. “Ele é um ator maravilhoso, já trabalhei com ele antes. Tenho que fazer algo com quem eu admiro, com quem tenho afinidade. Porque, se a peça pegar, será muito tempo de convívio.”

É hora de trabalhar. E Malvino já estava sentindo falta de pisar nos palcos. Recentemente, ele passou três meses viajando e estudando inglês. “Esse intervalo, esse tempo sozinho, foi muito bom para mim. Meu inglês era péssimo, agora já consigo sentar numa mesa e conversar com as pessoas, nem que seja falando que nem índio”, diz, aos risos. Na TV, Malvino continua de férias. Seu último trabalho foi em ‘Amor à Vida’ (2013).

Papai pela segunda vez (sua filha Ayra, com a lutadora Kyra Gracie, nasceu no mês passado), Malvino não credita sua vontade de voltar a fazer teatro à nova fase. “Só se foi de forma inconsciente. Eu estava mesmo com vontade de voltar. Amo teatro e estar no palco é uma bênção. É onde tenho o domínio total, vejo a energia sendo trocada e onde tenho a oportunidade de me aperfeiçoar”, comenta.

A agenda, lotada até dezembro com apresentações da peça, por enquanto não dá brecha para Malvino se dedicar a outro personagem complexo na televisão. “Tenho 38 anos. Não estou mais na idade de ficar fazendo tudo ao mesmo tempo”, diverte-se. E solta uma gargalhada. No fundo, ele sabe que ainda tem fôlego para muitos papéis. “Estou brincando. Se pintarem convites, eu quero, sim. Só nesses primeiros meses da peça, em que as coisas ainda estão se ajustando, é que fica mais complicado.”

Você pode gostar