Evento mundial de animação tem o Rio como uma das sedes

Curta-metragens têm programação simultânea em 51 países

Por O Dia

Rio - Após o Anima Mundi, em julho, o Rio entra novamente na rota dos desenhos. A cidade é uma das 240 sedes nacionais do Dia Internacional da Animação. E o Brasil, um dos 51 países onde o evento acontece amanhã, simultaneamente. São 29 curtas-metragens, divididos entre três mostras — infantil, internacional e nacional — exibidos gratuitamente no Sesc Flamengo. Além da presença de profissionais do ramo nas sessões, haverá oficinas criativas.

Imagem de ‘Frivolitá’%2C curta-metragem brasileiro dos anos 30%2C restaurado após passar 84 anos perdidoReprodução

“É um trabalho voluntário. Todo mundo faz praticamente de graça. Há vários anos que fazemos dessa forma”, conta o animador Marcelo Marão, um dos idealizadores do evento. “Tem filme para criança, mas também há vários para adultos que, graças ao Anima Mundi, têm se mostrado um público muito interessado em animação”, comemora ele.

A euforia tem um bom motivo. Com 43 anos, Marão viu essa área prosperar nos últimos dez anos. “Por aqui, os curtas tinham uma produção média de 12 por ano. Mas já faz um tempo que a média anual é de 300”, vibra o desenhista, que acredita que este é o melhor momento de todos os tempos para a animação nacional.

“O primeiro desenho animado brasileiro é de 1917. Mesmo assim, temos menos de 30 longas feitos até hoje. Mas, só este ano, são 14 que estão prontos ou em pré-produção”, enumera.

Por todos esses motivos, os curadores decidiram incluir na programação o que consideram uma raridade: um dos trechos de ‘Frivolitá’, animação nacional inédita, produzida há 84 anos. “É um filme dos anos 30, sobre uma mocinha que tenta dormir, mas não consegue. Estava perdido e foi restaurado. É um resgate histórico. Sempre acho o fim da picada o jovem que conhece mais a história da Pixar do que a da animação brasileira.”

Últimas de Diversão