Rita Ribeiro, agora Benneditto, lança o primeiro CD com novo nome artístico

Já que outra Rita registrou o sobrenome Ribeiro primeiro, artista foi obrigada a achar alternativa e mudou a assinatura

Por O Dia

Rio - Desde de 2012, Rita Ribeiro é Rita Benneditto. “Veja só, depois de 25 anos de carreira, me vi nessa situação constrangedora: até hoje questiono como um órgão como o INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial) se dispõe a fazer registro de marcas e patentes de um nome próprio”, espanta-se, sobre outra cantora, maranhense assim como ela, também chamada Rita Ribeiro, que registrou primeiro seu próprio nome, inviabilizando outras artistas de usarem.

“Eu até poderia entrar com recurso judicial, abrir processo, mas aí poderia durar de sete a dez anos. Me deu a maior preguiça. Não tive paciência de ficar com essa energia sobre mim esse tempo todo, e empatando minha própria história. Benneditto vem do nome do meu pai, do nome da minha cidade (ela nasceu Rita de Cássia Ribeiro, em São Benedito do Rio Preto) e significa ‘bem dito’. Além disso, começaram a aparecer muitos homônimos, Rita Ribeiro atriz, escritora. Passaram a acontecer conflitos.”

Há quatro anos Rita passou a usar o nome artístico Rita Benneditto%2C e%2C para isso%2C procurou até numerólogo Divulgação

Rita Benneditto acaba de estrear em disco, com ‘Encanto’, sucessor do seu bem-sucedido ‘Tecnomacumba’, do distante ano de 2006, que imprimiu o nome Rita Ribeiro Brasil afora. “Se googlar o nome ‘Rita Ribeiro’, só dá eu”, orgulha-se. “Tenho noção de que não é algo simples, e requer um tempo de absorção pelo público. Não é uma mudança só de uma letra, é um sobrenome. Percebi que meu público é realmente cativo. Eles podem até estranhar, uns gostam mais de um que do outro, mas gostam e se identificam mesmo com o que eu faço, e me respaldei muito nisso ao decidir trocar.”

O nome mudou, mas o som nem tanto. ‘Encanto’ pode ser uma continuação de ‘Tecnomacumba’, porém acrescido do molho dos músicos Felipe Pinaud e Lancaster Lopes, que tocam e assinam a produção no novo CD. “Tentam me rotular como cantora macumbeira há um tempão. Gosto de falar da mitologia africana, mas não sou cantora de um gênero só”, decreta ela. “Sempre tive uma atitude rock and roll, e o Felipe e o Lancaster são jovens e rock and roll, com uma pegada da música moderna”, elogia.

E, já que era para mudar o nome, Rita aproveitou e consultou até a numerologia. “Fui em um numerólogo que garantiu que essa grafia, com o ‘n’ e o ‘t’ dobrados, iria abrir portas para o sucesso”, conta. Mas, se a chamam de Rita Ribeiro, ela continua atendendo da mesma forma. “Claro, não entro em paranoia com nada!”, exclama.

Últimas de Diversão