David Bowie: Livro detalha obra do 'camaleão do Rock' dos anos 70

Lançado agora no Brasil, obra dá uma ajudinha aos que não sacam a língua inglesa ao fazer uma análise música a música, disco a disco, da trajetória do cantor

Por O Dia

Rio - Entre os muitos fãs do cantor e compositor britânico David Bowie mundo afora, incluindo o Brasil, nem todos falam inglês e, consequentemente, não entendem suas letras. Mas nem por isso deixam de admirar o artista da mesma forma.

“É uma questão interessante, e costumo pensar assim também, só que no sentido contrário: amo a música brasileira, mas não faço ideia sobre o que estão cantando caras como Tom Jobim ou Caetano Veloso”, lamenta Peter Doggett, escritor inglês especializado em música pop, autor de ‘David Bowie e os Anos 70 — O Homem Que Vendeu o Mundo’ (Nossa Cultura, 570 págs., R$ 59,90). “Bowie foi um letrista brilhante, e se você não sabe do que ele está falando, certamente está perdendo muito do prazer sobre sua música, embora seja possível sentir que se trata de um grande artista.”

Obra fala sobre David Bowie, o 'Camaleão do Rock', no anos 70The David Bowie Archive Imagem Victoria and Albert Museum

Lançado agora no Brasil, seu livro dá uma ajudinha aos que não sacam a língua inglesa ao fazer uma análise música a música, disco a disco, da trajetória do ‘Camaleão do Rock’ (como Bowie era chamado) nos anos 70.

Os mais familiarizados com sua obra, podem se aprofundar no exame detalhado de seu processo criativo naquele período que o autor traz na publicação. Peter Doggett detalha a mutação do cantor, desde sua figura andrógina do início da década de 70, que abusava de psicodelia e maquiagem para compor seus personagens, até o sujeito de cara lavada mais depressivo do início dos anos 80.

O livro começa com o primeiro grande sucesso de Bowie, ‘Space Oddity’ (1969), e termina em 1980, com o lançamento de ‘Scary Monsters’, e explica como suas roupas e atitudes tiveram impacto tanto na música quanto no comportamento da época.

“Nos anos 70, Bowie estava tão conectado com seu tempo que praticamente se tornou uma espécie de profeta. Ele não era um historiador ou um sociólogo, mas instintivamente estava um passo à frente de seu tempo. Nos anos 80 e 90, ele continuou um artista interessante, mas não era mais o líder da parada”, teoriza.

Okay, mas... David Bowie não deixou nunca de influenciar o rock e a moda, até os dias de hoje, não é?
“Definitivamente”, concorda Doggett. “É só olhar uma artista como Lady Ga Ga, que parece estar usando as mesmas ideias de Bowie ao se apresentar em shows e em seus vídeos. Toda nova geração de músicos, especialmente na Inglaterra, parece ter buscado inspiração em seu trabalho. Kurt Cobain, do Nirvana, era um grande fã de Bowie, e dá para encontrar suas influências até no hip hop.”

No início do papo, Peter Doggett falou sobre sua paixão pela música brasileira, e a nossa Tropicália (o movimento cultural capitaneado por Gilberto Gil e Caetano Veloso nos anos 60) vai até ilustrar um capítulo de seu próximo projeto: “Acabei de escrever um grande livro sobre a história da música popular, desde a invenção do gramofone até os dias atuais. Caetano e Gil são os únicos no mundo que continuaram os experimentos iniciados pelos Beatles”, elogia.

Últimas de Diversão