Luis Antonio Simas: Com que fantasia?

Chegou a hora de escolher a fantasia de 2015. Com o calor que está fazendo, acho que vou de Luz Del Fuego

Por tabata.uchoa

Chegou a hora de escolher a fantasia de 2015. Com o calor que está fazendo%2C acho que vou de Luz Del FuegoAgência O Dia

Rio - Não dou sorte com fantasias. Na minha infância abissal, quando as mulheres da família escolhiam as roupas que a molecada lá de casa usaria nos bailes de Carnaval, passei por situações vexatórias que eu só pensava revelar depois da morte, a um médium de mesa branca. Conto, todavia, aos amigos.

Lembro-me que fui índio do Velho Oeste (mais precisamente o Pequeno Chefe Touro Sentado), Faraó Ramsés II, pirata, piolho, sheik árabe e Emerson Fittipaldi — ocasião em que fiquei entalado na privada infantil do banheiro do aristocrático Fluminense Football Club, durante o Baile do Cartolinha.

Nunca fui muito chegado aos bailes de salão, sobretudo depois desse episódio em que a privada do pó de arroz foi o cockpit da minha Lótus. Eu era um daqueles moleques bundões que ficavam durante o baile absolutamente parados, jogando confetes e serpentinas para o alto, com uma expressão corporal parecida com a de um cágado sob efeito de Rivotril.

Na adolescência colecionei retumbantes fracassos. Fantasiei-me de espinha e quase fui expulso de um baile de terceira categoria em Rio das Ostras. A fantasia consistia em pintar o rosto de vermelho e encher a boca de maionese, para simular o pus. Com gestos, pedia para alguém apertar as minhas bochechas e imediatamente cuspia a maionese. Fui denunciado por fazer porcaria no salão e acabei tomando uma dura pesada.

Em escolas de samba era a mesma coisa. Desfilei de camundongo em ala das crianças, guerreiro africano, imigrante japonês, escravo de Nabucodonosor na Babilônia, periquito de realejo e similares. O ano em que saí de pomba do Divino Espírito Santo foi decisivo e jurei nunca mais desfilar fantasiado; promessa que mantenho.

Nos últimos anos, todavia, para animar o meu filho, resolvi me fantasiar para brincar nos blocos mais discretos. Saí de Penélope Charmosa, topete de Elvis Presley e defunto. Fui relativamente bem-sucedido. No ano passado, porém, o fracasso foi total. Resolvi me fantasiar de Conde Drácula, com direito a capa, maquiagem e o escambau. Resultado: tive um princípio de insolação, quase morri de calor e minha fantasia de vampiro foi confundida com a de ministro do Supremo Tribunal Federal.

Faço esse desabafo porque chegou a hora de escolher a fantasia de 2015. Com o calor que está fazendo, acho que vou de Luz Del Fuego, a atriz brasileira que fazia espetáculos pelada. Boto uma peruca e mando ver. Meu receio apenas é que, em virtude da barriga de chope, acabem achando que estou fantasiado de Carlos Imperial em tempos de pornochanchada.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia