Por daniela.lima

Rio - Parecia impossível, mas a cantora Valéria Lobão fez. Sonhando dar um tratamento de voz e piano para a obra de Noel Rosa, ela uniu 22 pianistas brasileiros — cada um numa faixa — no CD duplo ‘Noel Rosa, Preto e Branco’. O time inclui seu marido e diretor musical, Carlos Fuchs, mestres como João Donato e Cristóvão Bastos e gente mais recente como Gabriel Geszti. 

Valéria Lobão%3A disco%2C pianistas e parceiros de Noel pagos via crowdfunding e com bônus de horas no estúdioDivulgação


“Não acreditava que iria conseguir o Cristóvão Bastos. Achava mais fácil que o Keith Jarrett (recluso pianista americano) topasse”, brinca Valéria. Ela lança o disco hoje e amanhã no Espaço Sesc, em Copacabana. Mas, para o show, reduziu o time a três pianistas: Fuchs, Itamar Assiere (diretor do show) e Gilson Peranzzetta. “Se eu ganhar na Mega Sena, faço um show com todos. Mas alguns já falaram que devem aparecer por lá”, diz Valéria, que leva também a cantora Mariana Baltar, presente no disco, para o palco.

Nem só no formato está a novidade do álbum. Após um primeiro mergulho na obra do Poeta da Vila, Valéria retornou com muitas músicas pouco conhecidas de sua obra. “Achava que conhecia bem Noel e vi que não era assim”, diz. A sucessos como ‘Último Desejo’ e ‘Feitio de Oração’ misturam-se obscuridades como ‘Suspiro’, ‘Sinhá Ritinha’, ‘Eu Vou Pra Vila’. “Algumas delas tiveram só quatro gravações desde que foram compostas. Muitos amigos meus do samba não as conheciam”, espanta-se a cantora.

Para fabricar o disco e pagar direitos autorais (aos parceiros de Noel, já que sua obra é de domínio público desde 2008), Valéria e Fuchs recorreram ao sistema de crowdfunding. E deram bônus de horas no estúdio Tenda da Raposa, dela e de Fuchs, para os pianistas. “Já há discos de Cliff Korman e Marcos Nimrichter (presentes no álbum) que saíram do nosso CD”, conta.

Você pode gostar