Antonio Banderas vive vilão em longa da esponja-do-mar mais famosa do mundo

Astro de Hollywood é o único ser de carne e osso a integrar o elenco principal de ‘Bob Esponja: Um Herói Fora D’Água’

Por O Dia

Nova York - O protagonista de ‘Bob Esponja: Um Herói Fora D’Água’ é a esponja-do-mar que dá nome ao filme, mas, na entrevista para divulgar o longa, que estreia amanhã no Rio, quem roubou a cena foi Antonio Banderas. A explicação é simples. Além de grande astro de Hollywood, ele é o único ser de carne e osso a integrar o elenco principal do longa: todos os outros são desenhos animados. Mesmo assim, o ator faz questão de dizer que só aceitou o papel por causa da carismática criatura amarela que há 15 anos encanta crianças, jovens e adultos com a série de maior audiência da Nickelodeon, ‘Bob Esponja Calça Quadrada’.

O ator Antonio Banderas interpreta Barba BurguerDivulgação


“Criar uma esponja é sensacional, um tiro certeiro. E Bob deu certo porque é positivo, leal, amigo, acredita no que quer e acha solução para tudo. É antidepressivo, e isso inspira”, analisa Banderas, que se identifica com essa característica e se autointitula um otimista patológico. “Sempre acho que as coisas vão dar certo. Mas não sei se é bom ser assim nesses tempos, pois parece que o mundo está contra você”, diz, fazendo graça.

O artista espanhol, de 54 anos, encarna um vilão na trama: o pirata Barba Burguer, que rouba a ultrassecreta receita do Hambúrguer de Siri, sanduíche responsável pela harmonia na Fenda do Biquíni, um paraíso escondido no fundo do mar. Para salvar a pátria, Bob Esponja e seu arqui-inimigo, Plankton, unem forças e, junto com a turma formada pela estrela-do-mar Patrick, por Lula Molusco e pelo capitalista Sr. Siriguejo (dono da lanchonete Siri Cascudo, onde é vendido o hambúrguer), fazem uma viagem psicodélica e surrealista através do tempo e espaço, auxiliados por uma luxuosa produção em 3D, que mistura animação e ‘live action’.

“Não podemos ter esses efeitos especiais na TV, não há orçamento, há restrições. Já no cinema tivemos liberdade para ousar mais e tentar fazer algo realmente diferente, com direito até a transformação da turma do fundo do mar em um grupo de super-heróis em terra firme. A mesma companhia australiana de efeitos visuais que criou o ursinho de pelúcia de ‘Ted’ deu vida aos personagens. É uma experiência visual bem diferente para os fãs”, diz Paul Tibbitt, que assina a direção e o roteiro do filme, o segundo protagonizado por Bob Esponja (o primeiro foi ‘Bob Esponja — O Filme’, de 2004), e está à frente da série há 15 anos.

Na pele de Barba Burguer, Banderas fez a maior parte das cenas sozinho — os personagens com quem contracena foram inseridos depois. “Foi difícil estar sozinho, mas não me senti sozinho. Atrás das câmeras, estavam meu diretor e a equipe. Para que tudo ficasse sincronizado, precisamos fazer um trabalho minucioso. Adoro comédia, tenho feito isso através de filmes infantis (é dele, por exemplo, a voz do Gato de Botas na franquia ‘Shrek’ e em ‘O Gato de Botas’). Agora, quero fazer mais trabalhos desse gênero para adultos”, avisa. 

A VOZ DA ESPONJA

A voz original de Bob Esponja, em inglês, é resultado do excelente trabalho do veterano dublador e ator Tom Kenny, um sujeito simpático, animado e com muita presença de espírito, que parece se divertir bastante com o que faz, vê a esponja-do-mar como um visionário e diz que o filme “é muito estranho, e justamente por isso tão interessante”. Não menos especial é a dublagem brasileira, a cargo de Wendel Bezerra, que, entre outros nomes conhecidos, já dublou Robert Pattinson (saga ‘Crepúsculo’), Leonardo Di Caprio (‘O Homem da Máscara de Ferro’), Ashton Kutcher (‘Efeito Borboleta’) e Edward Norton (‘Tenha Fé’).

“Para fazer o meu Bob, o ponto de partida foi o Bob do Tom (Kenny). Quis manter o perfil do personagem, a concepção dos criadores. Mas, há quase 15 anos fazendo esse trabalho, aos poucos fui me libertando e criando uma melodia própria, mais confortável para a minha voz”, explica ele. “O meu Bob ganhou uma musicalidade diferente, mais suave”, acrescenta.

Para Wendel, o amarelinho de calça quadrada encanta a todos porque é livre de preconceitos e paradigmas: “As crianças e os jovens ficam fascinados com essa simplicidade, pureza, ingenuidade, liberdade. Já os adultos se encantam por conta da memória afetiva. Bob Esponja tem o perfil dos desenhos de antigamente, é lúdico. E esse filme tem uma mensagem bem bacana, fala da importância da união e do trabalho em equipe.”

Últimas de Diversão