Por karilayn.areias
A região do Centro que engloba a Rua do Ouvidor%2C a Rua do Rosário e a Rua do Mercado%3B zona do agrião da cidade que amoArte%3A O Dia Online

Rio - Se me pedem para indicar um lugar do Rio de Janeiro que qualquer carioca deve conhecer, minha resposta sai sempre de prima: a região do Centro que engloba a Rua do Ouvidor, a Rua do Rosário e a Rua do Mercado; zona do agrião da cidade que amo. Os livros da Folha Seca, o picadinho do Al-Farabi, a costela da Toca do Baiacu, a roda de choro do Adelos, com o Abel fazendo miséria nas cordas, e o vozeirão do Gabriel da Muda no Samba da Ouvidor, são patrimônios cariocas da maior relevância.

Lembro-me de uma ocasião em que uma roda de samba aconteceu na Folha Seca na mesma hora de um casamento na Igreja da Santa Cruz dos Militares, bem pertinho. Como a noiva se atrasou, alguns convidados resolveram aguardar a cerimônia na roda de samba. Os padrinhos abandonaram a liturgia do cargo e encheram a caveira.

Estimulado por uma gangue formada por Álvaro Marechal, Zé Sergio Rocha, Cesar Tartaglia e Cássio Loredano, o noivo desistiu de esperar a consorte no altar e também resolveu curtir o partido-alto. Marechal, Zé Sergio, Tartaglia e Loredano tentaram de todas as formas convencer o moço a desistir do matrimônio e ficar no samba. Alguns mais ousados queriam cooptar a noiva para a quizumba. Os padrinhos, já dobrando o Cabo da Boa Esperança, concordaram.

Enquanto Zé Luiz do Império cantava ‘Malandros Maneiros’, um clássico em homenagem aos bicheiros da velha guarda, os convidados do casamento acompanhavam na palma da mão. No auge da irresponsabilidade, o noivo convidou os presentes, a maioria esmagadora de bermudas e chinelos de dedo, para a festa do casório. A noiva apareceu, desculpou-se pelo atraso, sambou no miudinho de véu e grinalda e foi ovacionada.

Em certo momento, o Zé Luiz, estimulado por doses generosas da água que o passarinho não bebe, resolveu homenagear a Rua do Ouvidor, a Folha Seca e o Rodrigo Ferrari; o livreiro mais importante da história da cidade ao lado do Paulo Brito e do Manoel da Elizart. Disse o sambista imperiano:

— Obrigado ao Rodrigo da Folha Seca. Valeu, Rodrigo.

Imediatamente, ouviu-se uma única pessoa aplaudindo o Rodrigo. Era ele mesmo, o próprio, que se aplaudia numa espécie de auto-homenagem comovente. Digão, já tocado, falou-me meio cabreiro:

— Só eu me aplaudi.

Pois eu agora, às vésperas do Carnaval, aplaudo daqui o Rodrigo, o Carlos Alves, a Evelyn, o Marquinhos do Baiacu, o Carlinhos do Adelos e todos aqueles que, como eles, honram o solo sagrado da cidade de São Sebastião. Que a força da grana, a cultura do efêmero e a sanha dos inimigos da memória carioca não se criem naquele chão.

Você pode gostar