Por daniela.lima
O Urso de Ouro do Festival de Berlim é a premiação máxima da mostraDivulgação

Rio - Em pleno sábado de Carnaval, enquanto o Bola Preta fazia a festa no Centro do Rio de Janeiro, um outro Carnaval, bem diferente, tinha início a milhas daqui, com o anúncio das premiações do Festival Internacional de Cinema de Berlim. Confirmando expectativas divulgadas nesta coluna, ‘Que Horas Ela Volta’, de Ana Muylaert, conquistou dois prêmios importantes, que com certeza fortalecerão o lançamento nacional e sobretudo contribuirão para pavimentar a carreira internacional do filme.

‘Que Horas Ela Volta’ foi considerado o melhor filme pela CICAE (Confederação Internacional de Cinemas de Arte) e pelo Júri Popular da Mostra Panorama. A CICAE reúne 3 mil representantes de salas dedicadas aos cinemas de arte, participa de 15 festivais internacionais e está associada a distribuidores de pelo menos 30 países, o que certamente irá estimular o interesse mundo afora pelo filme brasileiro no disputadíssimo mercado internacional.

Já o prêmio do Júri Popular da Mostra Panorama é considerado um dos mais difíceis do Festival. Este ano foram 34 filmes de 29 países lutando pelos votos de uma plateia conhecida pelo nível de exigência, medido pelos aplausos nem sempre generosos. ‘Que Horas Ela Volta?’ foi favorecido pelo boca a boca que cresceu significativamente após a primeira das quatro sessões em Berlim.

Mas o bloco dos Napoleões retintos e pigmeus do bulevar seguiu adiante pontuando em outras alas. Walter Salles Jr., que exibiu na mostra dedicada aos documentários seu ‘Jia Zhang-ke, Um Homem de Fenyang’, protagonizou dois grandes momentos. O primeiro foi uma “master class” com o cineasta alemão Sebastian Schipper, diretor de ‘Victoria’, o filme mais comentado do Festival por ser rodado em um único plano de 134 minutos. O título da Aula Magna não poderia ser melhor: ‘Estrada, Cinema: Filmes em Movimento’.

Mas foi na cerimônia de homenagem ao cineasta alemão Wim Wenders que o Brasil bateu um bolão. Com a autoridade de quem já levou um Urso de Ouro para casa, com ‘Central do Brasil’, Walter foi convidado para entregar o prêmio honorário ao diretor de ‘O Amigo Americano’. Fez um discurso em que destacou a importância do cinema de Wenders na transformação do olhar cinematográfico no mundo todo e, em especial, no Brasil. Destacou que um dos filmes que o levou a fazer cinema foi justamente ‘O Estado das Coisas’, de Wenders, por sua forma de compreender o espaço ao redor através do ato de filmar.

Exagero dizer que devolvemos no Carnaval os 7X1 da Copa. Mas que Berlim 2015 deu o gostinho de alguns gols na casa do adversário, ah, isso deu.

Você pode gostar