Por tabata.uchoa
Publicado 19/03/2015 18:44 | Atualizado 19/03/2015 18:44

Rio - ‘Vai ser tipo um Rock in Rio, só que sem rock, né?”, pergunta Ludmilla, abismada com o tamanho da Cidade das Artes, na Barra da Tijuca, onde ela se apresenta amanhã, dentro da programação do 'Back2Black’. A sexta edição do festival que homenageia a música e a cultura negras começa hoje.

“É uma celebração da música independentemente de cor, na verdade”, corrige Damian Marley, filho de Bob Marley e uma das estrelas do evento este ano. Ele está certo: o ‘Back2Black’ não se resume aos artistas da diversificada cena africana, mas também traz para o holofote a música da Jamaica e ainda celebra os 450 anos do Rio de Janeiro, cidade que abriga o festival desde que ele foi criado, em 2009, por Connie Lopes.

A politizada cantora e compositora Angélique KidjoFernando Souza / Agência O Dia

Serão 14 shows distribuídos em dois palcos instalados no andar térreo da Cidade das Artes (confira a programação completa na página ao lado). Lenine, um típico ‘galego’ (como se diz no Nordeste da turma mais branquela), é dos mais animados para meter a colher neste grande caldeirão musical de raízes
africanas — ele se apresenta com a Orquestra Rumpilezz, de Salvador. “Eu nasci dentro desse caldeirão, no Recife, e minha música é fruto disso também. Sou parte”, orgulha-se ele.

A programação inclui ainda Angélique Kidjo, Planet Hemp (que apresenta o show registrado em seu próximo DVD, o ainda inédito ‘O Ritmo e a Raiva’), Velha Guarda da Mangueira e o poeta jamaicano do dub Linton Kwesi Johnson. “Já que o festival homenageia os 450 anos do Rio, não podia faltar na programação o show de uma Velha Guarda do samba da cidade”, ressalta Connie. Antes dos shows, estão programadas exibições de filmes e conferências sobre a cultura e a música negra, organizadas pelo escritor angolano José Eduardo Agualusa e com participação de Nei Lopes e Ruy Castro, entre outros. “Queremos
influenciar e ser influenciados, nessa possibilidade de intercâmbio cultural que o festival proporciona”, festeja Lellêzinha, do Dream Team do Passinho, que vai se juntar a um grupo de bailarinos de kuduro vindos de Angola.

“Gosto de coisa cheia de gente, lotada. Gosto de fervo!”, entusiasma-se Ludmilla. “Agora que até a Ivete Sangalo já cantou no Rock in Rio, se me chamar eu vou também, hein!”, convida-se. Alô, Roberto Medina!

HERDEIRO DO ‘REI’ BOB

O jamaicano Damian Marley, 36 anos, é o quinto filho de Bob Marley (1945-1981) e também um discípulo do legado do Rei do Reggae. “Sinto que meu caminho na música de certa forma é uma continuação de algo iniciado por meu pai, falando de paz e amor, mas também apontando os problemas sociais e políticos. Sou um grande fã da música dele, e claro que por isso influenciou a minha também”, define o herdeiro, por telefone, de Porto Alegre, onde cantou esta semana.

Vencedor de três prêmios Grammy e integrante da banda SuperHeavy, com Mick Jagger e Joss Stone, Damian é um dos filhos mais bem-sucedidos de Bob, embora não tenha vivido muito com o pai, que morreu quando tinha 11 anos. “Não tenho mesmo muitas memórias para dividir”, resigna-se.

Hoje, ele faz no ‘Back2Black’ um apanhado da sua carreira solo e clássicos de seu pai. “Já estive algumas vezes no Brasil, esta é a minha terceira vez no Rio. Acho São Paulo muito parecida com Nova York, mas eu me divirto mais no Rio, gosto das praias”, elogia ele, que postou recentemente em seu Facebook um
link de uma versão reggae para ‘Garota de Ipanema’: “E sou fã do futebol brasileiro, desde bem jovem eu já me encantava.”

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

CIDADE DAS ARTES. Avenida das Américas 5.300, Barra da Tijuca (3325-0102).
Hoje, das 19h às 3h. Amanhã, das 18h às 2h.
R$ 150 (inteira, por dia) e R$ 200 (inteira, combo para os dois dias). 18
anos.

HOJE:
PALCO RIO
- Linton Kwesi Johnson + Dennis Bovell Dub Band (Jamaica/Barbados), Planet
Hemp (Brasil) e Damian Marley (Jamaica).

PALCO CIDADE
- Duguettu, Karol Conká, MC Ludimilla e Dream Team do Passinho (Brasil) +
bailarinos de kuduro (Angola).

AMANHÃ:
PALCO RIO
- Lenine + Orquestra Rumpilezz (Brasil), Angélique Kidjo (Benim), homenagem ao
samba/soul/black carioca com direção musical de Kassin e Stromae (Bélgica).

PALCO CIDADE
- Velha Guarda da Mangueira (Brasil), Mingas + Moreira Chonguiça + bailarinos
de Marrabenta (Moçambique), Aline Frazão (Angola) + Toty Sa’med (Angola) +
Natasha Llerena (Brasil).

Você pode gostar