Por tabata.uchoa

Rio - Antes de mandar tudo para o inferno nas ‘jovens tardes de domingo’, Roberto Carlos lutou para fazer sucesso. Quando era mero plebeu, o ‘Rei’ bateu ponto em boates cariocas, onde cantava de tudo, inclusive músicas em inglês. No CD ao vivo gravado em show em Las Vegas, nos Estados Unidos, em 6 de setembro de 2014, Roberto revive uma das músicas — ‘I’m in the mood for love’, canção norte-americana de 1935 — que cantava com ‘inglês de Cais do Porto’, como o cantor faz piada em fala mantida no CD duplo lançado este mês.

Roberto Carlos canta músicas em inglês%2C em espanhol%2C em italiano e em português no CD que gravou ao vivo em show em Las Vegas (EUA)Reprodução

Além de ‘I’m in the mood for love’, a outra novidade — na voz de Roberto — é ‘Aquarela do Brasil’ (Ary Barroso), samba-exaltação de 1939 já cantado em shows pelo ‘Rei’, mas (até então) nunca registrado em seus discos. O arranjo é grandiloquente, compatível com a visão estrangeira do samba.

‘Roberto Carlos em Las Vegas’ é disco de repertório poliglota. Roberto canta em inglês, em português, em espanhol (versões de sucessos como ‘Detalhes’ e ‘Desabafo’) e em italiano (‘Canzone per te’, música que em 1968 lhe deu a vitória no festival italiano de San Remo). Apesar da diversidade de línguas, ‘Roberto Carlos em Las Vegas’ reprocessa as mesmas conservadoras emoções de sempre.

No começo do disco, Roberto diz que, em Las Vegas, tudo é ‘muito especial’. Mas os textos que fala na sequência, entre os números, são os habituais, dirigidos ao seu fiel público. O CD recicla músicas, gestos e entonações: estão lá a pausa estratégica ao fim de ‘Detalhes’ e o charme feito no texto em que o cantor apresenta o bloco de canções sensuais. Mas há sutis novidades como a exaltação a Carlos Gardel (1890 - 1935), intérprete original de ‘El día que me quieras’ (1935), tango tornado bolero por cantores românticos como Roberto. No Brasil ou em Las Vegas, o ‘Rei’ é fiel a si mesmo.

Você pode gostar