CD reúne sucessos pop de George Benson

‘É mais fácil atingir as pessoas cantando do que tocando guitarra’

Por O Dia

Rio - Trinta anos depois, ele conta que ainda lembra de tudo: “Começou com o protesto no aeroporto, porque eu não era um músico de rock”, rememora o guitarrista e cantor norte-americano George Benson, 72, sobre a vinda para tocar no primeiro Rock in Rio, em 1985. “Tive que entrar pela porta dos fundos do hotel e lá tinha outro protesto acontecendo, as pessoas batiam no carro dizendo ‘rock, rock, rock!’, eu não entendia...”.

Essa foi apenas uma breve passagem de seus quase 50 anos de carreira, durante a qual acumulou dez prêmios Grammy e um punhado de grandes sucessos, agora reunidos no CD ‘The Ultimate Collection’. “A preferida das mulheres é ‘This Masquerade’!”, apressa-se em elencar. “Embora ‘Give Me The Night’ talvez seja a que ficou mais famosa para o público em geral”, ressalta Benson.

A capa do CD ‘The Ultimate Collection’%2C de George Benson%3A ‘‘This Masquerade’ é a preferida das mulheres!’Divulgação

Reconhecido como um dos mais virtuosos guitarristas de jazz de todos os tempos, só quando Benson resolveu soltar a voz em seus discos que sua popularidade bombou — o lançamento traz ainda os sucessos ‘In Your Eyes’, ‘On Broadway’, ‘Inside Love (So Personal)’ e ‘The Greatest Love Of All’, entre outros. “É mais fácil atingir as pessoas cantando do que somente tocando guitarra, porque tem uma história sendo contada que as pessoas podem se relacionar”, explica. “Mas o que aprendi é que tocar jazz é bom para aprender a improvisar, tocar a mesma música e nunca tocar da mesma forma. E esse conhecimento eu uso para aumentar minha habilidade para interpretar as músicas pop.”

Do jazz ao pop, George Benson não deixa de fora a paixão pela música brasileira. “É muito intrigante, muito rítmica, desafiadora e harmonicamente magnífica!”, derrete-se.

Naquele primeiro Rock in Rio, inclusive, sua apresentação contou com a participação de um amigo brazuca, Ivan Lins. Juntos, tocaram o clássico ‘Dinorah, Dinorah’, de Lins e Vitor Martins, dobradinha repetida na edição 2013 do festival. “Depois da tensão inicial ao chegar no Brasil, a gente deixou todo mundo ‘nocauteado’. No dia seguinte, a televisão só falava do show. Foi o Ivan Lins quem me introduziu ao público brasileiro, e tive o privilégio de voltar depois de anos, e de uma forma bem mais confortável, sem protestos! Espero voltar o mais rápido possível, eu adoro o Brasil!”, elogia.

Últimas de Diversão