Bia Wilcox: Autoestima sob medida

Ninguém pode te ter mais na alta conta do que você mesmo

Por O Dia

Rio - Autoestima é fundamental para a felicidade. Ou, ao menos, para a dignidade. Vou explicar a minha lógica.  A autoestima é a crença lúcida de que não tem ninguém melhor do que você mesmo (afinal, quem mais além de você pode achar isso de maneira fiel, sem chance de mudar de ideia depois?).

Há pessoas que aumentam sua autoestima já na maturidade enquanto outros a perdem quando amadurecem. Há a autoestima exagerada, desproposital. E, claro, a baixa autoestima — aquela teimosa, cega, turrona. Ninguém a convence do contrário, muito menos o espelho.

Há um tipo de gente que tem uma autoestima curiosa. É a autoestima do retrovisor (desculpem pelo termo inventado): elas têm postura, trejeito, modos e atitudes de quem já foi um sucesso incrível. Sabe aquelas pessoas que em seu auge foram desejadas, disputadas e admiradas, no melhor estilo de “a mais popular” da escola, faculdade ou cidade? Pois é, percebo que muitas delas envelhecem com esse tipo de autoestima a qual me referi — elas vivem do retrovisor e se mantêm altivas, seguras, e andam como se o mundo as admirasse como sempre fez, mesmo já estando na casa dos 70 ou 80.

Você deve estar pensando agora: “São pessoas ridículas, decadentes e sem noção, não sabem envelhecer.” Não seja tão duro, vai. Elas são leais aos seus passados. Elas viveram nesse reinado de pedestal na juventude e guardam essa autoestima com elas. Posso afirmar que as gerações que a viram em seu auge continuam a admirando e respeitando o seu papel de estrela. E quem conheceu essas pessoas já mais velhas consegue perceber o seu passado de glória e a sua autoestima digna.

À primeira vista, isso tudo pode parecer ridículo, se você pensar numa senhora que mexe seus longos cabelos como num filme de Hollywood, mas não é. Há beleza na lembrança da juventude. É só imaginar a Marilyn Monroe em seus 70 ou 80. Não acho que ela conseguiria perder toda aquela sensualidade que pertence a ela tanto quanto seus cabelos louros. A Sophia Loren não perdeu seu jeito de mulherão sexy... e é linda e digníssima com sua autoestima de retrovisor.

Seja pelo retrovisor ou por uma bola de cristal, ou ainda por cima de um muro, o importante é fechar os olhos e se imaginar como você é. Respeitar-se e agradar-se sabendo que ninguém pode te ter mais na alta conta do que você mesmo. Eis a autoestima do alfaiate — sob medida para a sua felicidade.

Últimas de Diversão