Por karilayn.areias
Publicado 02/12/2015 19:59 | Atualizado 02/12/2015 20:04
Marco Ricca e Cintia Rosa em cena do filme ‘Os Fins e os Meios’Divulgação

Rio - O cineasta Murilo Sales sempre esteve na mão dos temas pulsantes da contemporaneidade. Uma rápida olhada em sua rica filmografia confirma a tese. Desde seu filme de estreia ‘Nunca Fomos Tão Felizes’, de 1984, o cineasta aproxima-se de forma oportuna, nunca oportunista, do contexto que cerca suas produções. Basta uma rápida olhada para confirmar.

‘Nunca Fomos Tão Felizes’, inspirado em obra literária de João Gilberto Noll, realizado pouco depois da abertura, capturava a angústia dos filhos de perseguidos políticos, justamente no momento em que o Brasil sonhava com as Diretas Já. ‘Faca de Dois Gumes’, baseado em romance de Fernando Sabino, já focava nos conflitos éticos de um Brasil marcado pela corrupção e pela violência social.

‘Como Nascem os Anjos’ e ‘ Seja o que Deus Quiser’, apontavam, em tons diferentes, para a desigualdade entre o asfalto e as favelas, mostrando a marginalidade compulsória juvenil no primeiro e a força criativa emergente das comunidades cariocas no segundo. Finalmente, ‘Nome Próprio’, de 2007, extraído do texto de Clara Averbuck, capta a fúria da escrita virtual de um dos fenômenos pioneiros do que hoje convencionamos chamar de blogosfera.

‘O Fim e os Meios’ preserva a batida antenada de Sales. Agora seu alvo são os bastidores da vida púbica. As aproximações entre políticos, publicitários e jornalistas estão em foco na trama que aborda a transferência de um marqueteiro e sua companheira jornalista do Rio para a capital federal. Ele, para trabalhar com um Senador; ela para trabalhar na editoria política de uma redação.

Murilo foge à tentação da denúncia mais óbvia, panfletária, direta, sem filtros. Todos estão de certa forma emaranhados na complexa teia em que o desafio ético e moral está sempre na pauta, envolvendo as contradições de um país o tempo todo em crise consigo mesmo. Não é um filme para julgar peremptoriamente. Mas para pensar. E muito.

Você pode gostar