Por tabata.uchoa

Rio - Morador do Brasil há três anos, o violoncelista italiano Federico Puppi passou por maus bocados em outubro. Músico da banda de Maria Gadú, ele teve seu instrumento mais precioso - um violoncelo alemão de 150 anos - roubado junto com as guitarras e violões do grupo que acompanha a cantora, durante um assalto na Zona Sul do Rio. O equipamento acabou sendo recuperado e o violoncelo voltou para sua mão. E é ele o principal personagem do seu primeiro CD solo, 'O Canto da Madeira', que lança nesta quinta com show no Bottle's Bar, em Copacabana.

Vioncelista de Maria Gadú lança disco quinta em CopacabanaDivulgação


"Nem sei como recuperamos tudo, foi por magia", brinca, lembrando que ele e seus amigos fizeram um baita barulho na mídia até recuperar tudo (os instrumentos foram localizados em uma calçada da Rua Cândido Oliveira, em Santa Tereza). "Ele é o que está na capa do CD comigo e o que vai para os shows. Comprei há uns dez anos. Lembro que na noite do assalto foi tudo tão rápido que não entendemos bem o que aconteceu".


O nome do disco é 'O Canto da Madeira' para mostrar que a relação de Federico com o violoncelo - iniciada quando ele tinha quatro anos e era bem menor que o instrumento - passa necessariamente pelo pop. "O violoncelo soa como se fosse um vocal nas músicas. Comecei a compor parte do material quando eu estava na Itália e fiz a outra parte no Brasil. As músicas são como canções, só são instrumentais. Têm refrão, todas as partes que uma canção tem, só que com o violoncelo fazendo o 'vocal'", diz ele, que contou com Maria Gadú mas vozes (sem letras) de duas músicas, 'M.B.' e 'As Nuvens'.


Federico, que diz ter se mudado para o Brasil fugindo da crise européia ("não só de dinheiro, mas de sistemas gerais, de cultura") conheceu o país por causa da ex-mulher, que é brasileira. Hoje é casado com a atriz Suzana Nascimento, a quem dedicou a música 'Dente de Leão'. "Lá na Itália eu ouvia muito a Marisa Monte e por coincidência tinha ouvido um disco da Maria Gadú. Lembro que um amigo do meu pai até me disse: 'Gostei do som dela, acho que você deveria tocar com essa menina, ela faz música boa'. E por coincidência vim para o Brasil e encontrei com ela", diz, rindo.

Você pode gostar