Lilia Cabral será prostituta, dona de um bordel em ‘Liberdade, Liberdade’

Personagem da atriz comandará lindas meninas que vão divertir os homens na próxima novela das 23h da Globo

Por O Dia

Mimi (Yanna Lavigne)%2C Gironda (Hanna Romanazzi)%2C Virgínia (Lilia Cabral) e Vidinha (Yasmin Gomlevsky) serão as garotas do cabaré de Vila Rica Divulgação

Rio - Lilia Cabral foi parar no século 18 em plena Minas Gerais, na fictícia Vila Rica, para fazer algo que nunca fez na TV. A atriz vai dar vida à cafetina Virgínia, em ‘Liberdade, Liberdade’, próxima novela das 23h, da Globo, prevista para estrear em 11 de abril. Virgínia é dona do cabaré de Vila Rica, que encanta os homens por sua sensualidade e inteligência. Além de sedutora, ela tem espírito revolucionário e dará apoio aos rebeldes que se reunirão no cabaré. Cafetina que se preze não vive e ganha a vida sem belas e sensuais prostitutas, e Virgínia conta com três fiéis escudeiras: Vidinha (Yasmin Gomlevsky), Gironda (Hanna Romanazzi) e Mimi (Yanna Lavigne).

“Toda prostituta tem um passado e com ela não é diferente. Mas, acima de tudo, ela é uma ativista e conspiradora”. Ao contrário das mulheres daquela época, que eram submissas ao marido, Virgínia é aguerrida. “Ela está lutando por uma causa. Pode ter certeza de que não vou ser uma caricatura de prostituta. Ela é acima de tudo uma mulher que tem a intuição da liberdade, gosta de bolo e tem hábitos comuns a quaisquer épocas em que vive uma cafetina.”

Lilia também gosta de falar do universo da fictícia cidade de Vila Rica. “Não tinha saneamento básico e as pessoas comuns (figurantes) passavam pelas pessoas no tronco, como a gente passa por mendigos hoje. Totalmente insensíveis. Como se fosse a coisa mais comum do mundo”, afirma a atriz, empolgada com o papel. “Estou tendo tanta motivação em gravar, que ontem gravei com uma sinusite forte e esqueci completamente da dor”.

A atriz se entregou totalmente ao personagem, sem ligar para frescuras. “Me livrei da vaidade. O cabelo é pra ficar desarrumado, ela veste roupas rotas e tem um visual desconstruído. Virgínia é uma líder camuflada. Tem a postura, mas não se coloca como líder. O diretor (Vinícius Coimbra) teve o cuidado de colocar um semblante crível”, analisa.

Se em ‘Liberdade, Liberdade’, ela vive uma personagem que abriu mão de cuidados com a beleza, na realidade, a paulistana Lilia é muito diferente. “Eu sou bem fresca”, confessa. Mas nada que a impeça de trabalhar com algum incômodo. “É lindo usar as roupas de época, mas é difícil de se adaptar aos corseletes apertados. Uso uma peruca enorme e acho ótimo. A Paula tá fazendo um trabalho primoroso”, diz, referindo-se à equipe de figurino liderada por Paula Carneiro.

MENINAS DO BORDEL

Entre as meninas do bordel, Vidinha (Yasmin) é o braço-direito de Virgínia no Cabaré e a única menina do bordel que sabe ler e escrever. Gironda (Hanna) acredita que uma mulher é virgem até encontrar o homem certo. E Mimi (Yanna) sonha se casar com um príncipe. É linda e vai se apaixonar freneticamente por André (Caio Blat), que é homossexual. “Os elencos são ímpares e a forma de contar a história também. As pessoas e amigos dizem que tenho cara de época”, diz Yasmin que é irmã do também ator Bruno Gomlevsky.

A beleza das três deverá ser explorada na minissérie, mas cenas sensuais não serão problema para Yanna Lavigne. “Acredito que a nudez não vai ser levada de forma erotizada”, diz Yanna. Mas se for para ter cenas picantes, Yasmin está preparada. Para o papel, ela assistiu ao filme ‘Bruna Surfistinha’, sobre a vida da garota de programa Raquel Pacheco. 


Reportagem Eduardo Minc

Últimas de Diversão