Fernando Molica lança seu sétimo livro

Evento acontece hoje na Livraria Travessa de Botafogo

Por O Dia

A capa do livro lançado esta noiteDivulgação

Rio - Perder tudo, estar desiludido e sem esperanças. É nesse momento crítico que o jornalista criado por Fernando Molica, no novo romance ‘Uma Selfie com Lenin’ (Record, 112 págs., R$ 29,90), se encontra e decide avaliar tudo o que viveu, por meio de uma carta escrita dentro de um avião. Essa história chega hoje aos leitores, no lançamento marcado para às 19h, na Livraria da Travessa de Botafogo.

Sem prefácio, índice ou dedicatória, o sétimo livro da carreira do escritor e colunista do DIA leva o público diretamente à história e utiliza uma linguagem informal com referências pop, segundo Molica, como ‘Star Wars’ e ‘Os Jetsons’. “Eu acho que por ser uma carta eu não poderia fazer algo muito literário. Procurei fazer um texto informal escrito por um profissional de texto, dentro das normas da língua e que tem um universo mais pop, que acho que numa carta você falaria isso”, explica.

A ideia inicial, que surgiu durante uma viagem que Molica fez sozinho para a Europa, em 2014, era escrever um guia de viagens, mas percebeu outro caminho enquanto escrevia. “Quando comecei, o livro tendeu para um romance. Baixou um caboclo do personagem e falou: ‘Não meu irmão’, puxou minha perna meu braço e falou: ‘Vai por aqui’”, conta entre risadas.

A carreira de Fernando Molica como escritor começou com ‘Notícias do Mirandão’ (2002). Este primeiro livro e o terceiro, ‘Bandeira Negra, Amor’ (2005), foram publicados no Brasil e Alemanha. Já o segundo, ‘O Homem Que Morreu Três Vezes’ (2003), recebeu menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Depois vieram: ‘O Ponto da Partida’ (2008), ‘O Misterioso Craque da Vila Belmira’ (2010) e ‘Inventário de Júlio Reis’ (2012). 


Com reportagem de Guilherme Guagliardi

Últimas de Diversão