Ator aposta na meditação para crianças das comunidades

'A consciência da respiração faz a criança observar os pensamentos', conta Rogerio Barros, idealizador do projeto

Por O Dia

Peça de Rogério é inspirada no livro ‘O Menino que Queria Ser Bombeiro’Divulgação

Rio - O espetáculo ‘O Menino Que Queria Ser Bombeiro’ leva para o palco uma proposta inusitada para as crianças: usar a meditação para propiciar novas descobertas. Em cartaz até 26 de julho, no Teatro do shopping Fashion Mall, em São Conrado, a peça é baseada no livro homônimo do autor e ator Rogerio De M. Barros.

A iniciativa tem encantado o público. “Foi o canal que encontrei para promover a meditação no Brasil de forma lúdica”, conta Rogerio. Além do palco, o ator também ministra aulas da prática entre crianças moradoras de comunidades carentes do Rio com o Projeto Meditar. “A consciência da respiração faz a criança observar os pensamentos. Somos rodeados por estímulos que geram uma infinidade de desejos. Acabamos ansiosos e frustrados. É preciso controlar todo esse estresse se quisermos uma vida melhor”, analisa.

Em cena, ele interpreta cinco personagens e conta a história do menino que adora o fogo e acaba provocando um incêndio no seu quarto. Depois disso, sua mãe protetora não consegue criá-lo colocando limites. Ele cresce inquieto, mas após um sonho vê sua vida transformada. “O incêndio é uma das piores tragédias da vida, na mitologia, por exemplo, o inferno é representado pelas chamas. Meditar pode ser a ponte para um lugar mais harmônico”, diz.

A encenação, que tem direção do alemão Ole Erdmann, coloca em pauta a discussão do exercício do autocontrole nas crianças. O próprio Rogério afirma ter sido um menino agitado, e ressalta que a montagem agrada tanto às crianças quanto aos adultos. “É uma experiência familiar única”, conclui. O cenário é coerente com a proposta do artista, feito todo de material reciclado.

Últimas de Diversão