Assassinato do coronel em ‘Escrava Mãe’ tem sete suspeitos

Autor entrega o motivo de cada um para o crime

Por O Dia

Assassinato tem sete suspeitosDivulgação

Rio - O assassinato do Coronel Custódio (Antônio Petrin), sexta-feira em ‘Escrava Mãe’, da Record, colocará na berlinda sete suspeitos, entre eles o casal principal da trama, Juliana (Gabriela Moreyra) e Miguel (Pedro Carvalho). “O mistério vai durar só uma semana. O público será o primeiro a saber. Já os personagens só descobrirão quem é o assassino lá pelo final da novela”, antecipa o autor Gustavo Reiz. “Não vale a pena me prolongar muito no ‘quem matou?’. Optei por narrativas mais ágeis. Por isso, muitas situações começam e se resolvem e dão lugar a novas tramas”, completa.

O crime movimentará ainda mais a trama, que só na última segunda-feira teve média de 13 pontos de audiência com pico de 16, no Rio, aumentando em 30% o ibope do horário. “O personagem está doente e já prepara sua sucessão. Ele quer casar as filhas, apresenta o futuro genro aos escravos da fazenda. Enfim, ele é um homem prático e realiza todo o ritual para que não tenha problemas após a sua morte natural. Porém, o assassinato inesperado mexerá com todos”, aposta.

A morte de Custódio acontecerá em plena noite de festa do casamento da filha dele, Teresa (Roberta Gualda), com Almeida (Fernando Pavão). Os suspeitos são: Juliana, Coronel Quintiliano (Luiz Guilherme), Dona Urraca (Jussara Freire), o noivo Almeida, Miguel, Guilherme (Roger Gobeth) e Maria Isabel (Thais Fersoza). Cada um com seu motivo para querer ver a vítima batendo as botas o mais rápido possível.

A motivação de cada um para realizar o crime varia de maior a menor intensidade. “A mocinha Juliana será a primeira a encontrar a vítima, que leva um tiro fatal. A escrava não terá álibi para se livrar da suspeita do crime. Sem falar que antes, ela foi castigada por Custódio e, por isso, teria motivo de querer uma vingança. O Miguel descobrirá provas de que o Coronel teve relação com a morte dos seus pais e poderia querer uma retaliação”, explica Reiz.

Mas os mocinhos não são os únicos a ter culpa no cartório. O vilão Almeida também tem lá seus motivos para querer ver o sogro debaixo de sete palmos. “O Coronel descobre o caso dele com Petúnia (Robertha Portella) e que a moça está grávida. Isso com certeza impediria o casamento e poderia acabar com os planos de Almeida se tornar o senhor da fazenda Engenho do Sol”. Mas e Dona Urraca? O que ela teria contra a vítima? “Tudo. Ela é mãe de Almeida e principal interessada em que o casamento acontecesse. Falida, ela enxerga a união do filho com Teresa como salvação para sua família”.

Outros com motivos de sobra para querer o fim de Custódio são a própria filha dele, Maria Isabel, Coronel Quintiliano e Guilherme. “Custódio descobre que Maria Isabel está grávida — ela espera um bebê do professor Átila (Leo Rosa). Já Quintiliano é o grande inimigo de Custódio desde sempre, e eles disputaram o amor de Beatrice (Bete Coelho), que escolheu Custódio como marido. O Guilherme é filho de Quintiliano e apaixonado por Teresa. Será humilhado por Custódio no casamento da filha. O Coronel jamais aceitaria a união da filha com o herdeiro de seu maior rival”, frisa.

Com a novela toda gravada, Gustavo Reiz divide-se entre assistir à ‘Escrava Mãe’ e escrever a próxima novela da Record: “Em julho, entrego dez capítulos de ‘Belaventura’, uma trama medieval, que abordará o amor entre um príncipe e uma plebeia e temas como a peste negra, disputa por poder, corrupção, pessoas de culturas diferentes e refugiados”. 

Últimas de Diversão