Evinha lança ‘Uma Voz, Um Piano’ em show no Theatro Net Rio

Cantora diz que acompanha muito pouco a nova música brasileira. 'Wesley Safadão é bom?', pergunta

Por O Dia

Rio - Morando há 35 anos na França, a cantora carioca Evinha, de 64 anos — revelada nos anos 60 quando fazia parte do Trio Esperança, formado por irmãos dos Golden Boys —, tem acompanhado pouco a música brasileira. De passagem pelo país para lançar seu primeiro disco de inéditas em 17 anos, ‘Uma voz, Um Piano’ (com show terça no Theatro Net), conta que tem preferido focar na própria música.

Cantora lança ‘Uma Voz%2C Um Piano’ em show terça-feira no Theatro Net Rio e diz que hoje acompanha muito pouco a nova música brasileiraRobson Galdino

“Depois de terça, vou ouvir os sons de pessoas novas que têm me recomendado. Outro dia, um sobrinho me falou do Wesley Safadão... Ele é bom?”, pergunta Evinha, rindo. “Bom, meu sobrinho é muito sarcástico. Mas tenho que ouvir para dar uma opinião, respeito o trabalho de todo mundo. Falam que a música está ficando precária no Brasil, mas isso acontece no mundo todo, não só aqui”.

Surgido de uma ideia do produtor Thiago Marques Luiz, ‘Uma Voz, Um Piano’ traz Evinha acompanhada apenas pelo marido, o pianista e compositor francês Gérard Gambus, em todas as faixas. O repertório traz de volta alguns antigos sucessos de Evinha — ‘Teletema’, de Antonio Adolfo e Tibério Gaspar, ‘Casaco Marrom’, de Renato Corrêa, Danilo Caymmi e Guarabyra, e ‘Cantiga por Luciana’, de Edmundo Souto e Paulinho Tapajós. Mas o foco é em músicas feitas especialmente para ela por nomes como Dalto, Ivan Lins e Carlos Colla.

ANTONIO E TIBÉRIO
Já ‘Meu Canto’ traz de volta a dupla Antonio Adolfo e Tibério Gaspar, que estava sem compor desde 1972, com uma canção nova. “Eu moro na França, o Antonio, nos Estados Unidos e o Tibério, em Paquetá. Isso dificultou um pouco”, brinca. “Mas saiu rápido, o Antonio fez a música em cinco minutos”, conta.

A inspiração da letra de Tibério foi o atentado de 13 de novembro na França, como lembra Evinha. “Minha filha estava no Stade de France assistindo à partida entre França e Alemanha em que havia um homem-bomba. Ficamos desesperados por ela”, conta, lembrando que a dupla faz parte da sua vida justamente por causa de ‘Teletema’, popularizada numa novela da Rede Globo, ‘Véu de Noiva’ (1969). “Depois, essa música foi inscrita num festival na Grécia e fomos para lá, eu, Antonio e Tibério. Eu tinha 18 anos na época. A música ficou em segundo lugar.”

Quando vem ao Brasil, Evinha mata as saudades da família. “Eu e meus irmãos morávamos numa casa enorme no Engenho de Dentro. Conforme íamos casando, construíam mais quartos lá”, conta ela, prometendo a presença dos Golden Boys no show, mas em separado. “O repertório vai ter músicas que cada um deles compôs ou coescreveu e que foram sucesso, como ‘Foi Assim’, ‘Te Amo’ (ambos hits com Wanderlea) e ‘Anjo’ (sucesso do Roupa Nova). Convidei todos para cantar!” 

Últimas de Diversão